Roda Gigante

Roda GiganteCrítica – Roda Gigante

Sinopse (imdb): Em Coney Island na década de 1950, um salva-vidas conta a história de um operador de carrossel de meia-idade e sua esposa oprimida.

Costumo dizer que um Woody Allen mediano é melhor que muito filme por aí. Roda Gigante (Wonder Wheel, no original) é um exemplo disso. O filme não tem nada demais, mas acho difícil alguém sair do cinema descontente.

Já faz um tempo que não vemos um grande Woody Allen (arriscaria dizer que desde Meia Noite em Paris). Roda Gigante tem seus méritos, como a belíssima fotografia do veterano Vittorio Storaro, ou a inspirada atuação de Kate Winslet. Também gostei de alguns takes longos – não sei se podemos chamá-los de planos sequência, parecem mais com teatro filmado, são sempre no mesmo ambiente e com os mesmos personagens.

Mas o filme se passa e não empolga nunca… Ficamos com a impressão de que o filme não acrescenta nada…

No elenco, o destaque é pra já citada Winslet – curiosamente, temos uma mulher mais velha se relacionando com um homem mais novo, coisa incomum na filmografia alleniana. Também no elenco, Justin Timberlake, Jim Belushi e Juno Temple.

Enfim, nada de mais. Mas os fãs de Woody Allen vão curtir.

  • Facebook
  • Twitter

Blue Jasmine

BLUE-JASMINECrítica – Blue Jasmine

Um pouco atrasado, vi o novo Woody Allen.

Uma socialite de Nova York, falida, tem que se mudar para a casa da irmã de criação, que é pobre e mora em São Francisco.

Na crítica de Clube de Compras Dallas, falei que Matthew McConaughey fez um bom trabalho, mas nada excepcional. E citei este Blue Jasmine como um trabalho de ator que realmente se destaca. Cate Blanchett está excepcional aqui! Ela consegue construir um personagem difícil, a socialite decadente que a gente sente ao mesmo tempo pena e desprezo por ela.

Não só Cate, mas o elenco todo, de um modo geral, está bem nesta mistura de drama com comédia. O elenco conta com inspiradas atuações de Sally Hawkins, Alec Baldwin, Bobby Canavale, Louis C.K, Peter Sarsgaard e Michael Stuhlbarg.

O roteiro (também de Woody Allen) faz bom uso de flashbacks e valoriza os atores. Blue Jasmine é um filme “menor” na filmografia de Allen, não é tão bom quanto Meia Noite Em Paris, por exemplo. Mas “meio Woody Allen” ainda é melhor que muito cineasta “inteiro”…

(Li em algum lugar que a história é muito parecida com Um Bonde Chamado Desejo, mas como nunca vi a peça nem vi o filme, não posso palpitar aqui.)

Enfim, um filme leve, despretensioso e simpático. E essencial para os fãs de Cate Blanchett.

  • Facebook
  • Twitter

Fading Gigolo

Crítica – Fading Gigolo

Um dono de livraria de meia-idade em sérios problemas financeiros resolve transformar um velho amigo em garoto de programa para belas mulheres endinheiradas.

John Turturro é um excelente ator, ninguém duvida disso, mas também é muito feio. Mas ele não é um cara bobo – escreveu um roteiro e dirigiu o filme onde ele faz um ménage a trois com a Sharon Stone e a Sofia Vergara…

A presença das duas musas balzaquianas não é o único atrativo do filme. Fading Gigolo também traz uma rara participação de Woody Allen como ator em um filme que não foi nem escrito nem dirigido por ele.

No fundo, Fading Gigolo até parece um “filme de Woody Allen” – meio comédia, meio drama, baseado em atores e não em efeitos especiais ou cenas de ação ou tensão.

E, na minha humilde opinião, é justamente na separação entre comédia e drama que está o problema de Fading Gigolo. A parte comédia é muito melhor que a parte drama! Allen está inspiradíssimo, quase todos os seus diálogos são geniais – e muito engraçados. Já as cenas da Avigal (Vanessa Paradis) são bem menos empolgantes…

Mesmo assim, o bom elenco segura a qualidade do filme. Além dos já citados Turturro, Allen, Sofia, Sharon e Vanessa, Fading Gigolo ainda conta com Liev Schreiber – todos estão bem.

Curiosamente, Fading Gigolo ainda não tem exibição garantida aqui no Brasil. Estranho, porque o filme tem potencial de bilheteria, na minha humilde opinião.

  • Facebook
  • Twitter

Meia Noite em Paris

Crítica – Meia Noite em Paris

Filme novo do Woody Allen!

Gil é um roteirista de relativo sucesso em Hollywood, mas quer largar essa vida, se mudar para Paris e escrever romances – decisão não apoiada por sua noiva. Apaixonado por Paris e pela década de 20, de repente Gil volta no tempo e passa a ter contato com personagens históricos, como Cole Porter, Ernest Hemingway, F Scott Fitzgerald, Gertrude Stein, Pablo Picasso, Salvador Dalí e Luis Buñuel, entre outros.

Tem gente por aí dizendo que este é o melhor Woody Allen em muito tempo, mas não sei se sou a pessoa certa para falar sobre isso, já que, sei lá por qual motivo, não vi nenhum dos filmes que ele fez entre 98 e 2007 (mas tô em dia desde Vicky Cristina Barcelona!). Pelo menos posso afirmar que é o melhor entre os quatro últimos.  As situações geradas pelos encontros de Gil com as figuras históricas são deliciosas! Não conheço ninguém que saiu do cinema sem se imaginar em outra época, acho que esse culto ao passado é algo natural do ser humano.

Paris foi uma escolha perfeita para o cenário de Meia Noite em Paris. Que outra cidade conjugaria um passado tão rico em cultura com cenários atuais que não precisam de muitas adaptações? É um filme de viagem no tempo sem efeitos especiais aparentes!

No elenco, Owen Wilson surpreende. Normalmente associado a comédias dirigidas a um público mais, digamos, hollywoodiano, ele está perfeito aqui como o alter-ego de Allen. Se heu não o conhecesse  de filmes como Uma Noite no Museu, Marley & Eu ou a série Bater ou Correr, diria que é um ator sério… Ainda no elenco, Rachel McAdams, Michael Sheen, Marion Cotillard, Kathy Bates e um Adrien Brody hilário como Salvador Dalí. E, para os fãs de quadrinhos: Tom Hiddleston, o Loki de Thor, interpreta F Scott Fitzgerald aqui.

Meia Noite em Paris é divertidíssimo, mas tem um problema: pra curtir melhor as piadas, tem que conhecer as figuras históricas. Digo isso porque fui um dos únicos no cinema a rir da genial piada com o Buñuel e seu Anjo Exterminador – provavelmente rolaram outras piadas que não entendi porque não conhecia os personagens…

Enfim, vá ao cinema. E depois se imagine na sua própria Belle Époque!

.

.

Se você gostou de Meia Noite em Paris, Blog do Heu recomenda:
Todos Dizem Eu Te Amo
Tudo Pode Dar Certo
Te Amarei Para Sempre

  • Facebook
  • Twitter

Você Vai Conhecer o Homem dos Seus Sonhos

Você Vai Conhecer o Homem dos Seus Sonhos

O quadragésimo primeiro filme do Woody Allen!

Depois de quarenta anos de casamento, Alfie (Anthony Hopkins) se separa de Helena (Gemma Jones) e sai em busca da juventude perdida. Arrasada, Helena passa a consultar uma vidente. Ao mesmo tempo, sua filha Sally (Naomi Watts) precisa administrar o desejo pelo seu novo chefe, Greg (Antonio Banderas), com a crise em seu casamento com Roy (Josh Brolin), um escritor picareta que fez sucesso só com seu livro de estreia e enfrenta crises criativas enquanto flerta com sua vizinha violonista Dia (Freida Pinto).

Você Vai Conhecer o Homem dos Seus Sonhos não é um grande filme. Allen já fez coisa melhor. Mesmo assim, não vai decepcionar seus fãs.

Parece que Allen descobriu uma boa fórmula para se fazer um filme: junte uma história simples, construa bons personagens e chame bons atores para interpretá-los. Pronto! Você pode não ter um grande filme em mãos, mas pelo menos tem um filme melhor do que a média que rola por aí. E, se a gente se lembrar que Allen está com mais de setenta anos e faz quase um filme por ano, acho que tá valendo.

Você Vai Conhecer o Homem dos Seus Sonhos segue esse caminho. O filme vale pelo elenco, afinal, não é todo dia que temos Anthony Hopkins, Naomi Watts, Antonio Banderas, Josh Brolin, Freida Pinto, Gemma Jones e Anna Friel juntos, né?

Já o roteiro, bem, na minha humilde opinião, acho que muitas pontas foram deixadas soltas. Custava ter dado alguns fins nas várias histórias? Muita coisa ficou sem explicação. E sem necessidade.

Achei um detalhe técnico curioso: muitas cenas são filmadas sem cortes, com uma única câmera acompanhando o diálogo. Isso faz muitos personagens ficarem de costas para a tela enquanto falam. Definitivamente, isso é incomum!

Como disse lá no começo, Você Vai Conhecer o Homem dos Seus Sonhos não é uma obra prima, mas é um filme agradável e não vai decepcionar os fãs de Woody Allen.

  • Facebook
  • Twitter

Tudo Pode Dar Certo

Tudo Pode Dar Certo

Boris Yellnikoff (Larry David) é um velho novaiorquino muito inteligente, mas ranzinza, mal humorado e que adora fazer comentários politicamente incorretos. Até que, por uma coincidência, aparece na sua vida a jovem Melody (Evan Rachel Wood), uma garota meio burrinha do interior.

Pra quem não sabe, este é o novo filme escrito e dirigido por Woody Allen, em cartaz nos cinemas cariocas!

Anos atrás, acompanhei umas duas temporadas da série Segura a Onda (Curb Your Enthusiasm). Eram esquetes curtas, filmadas em vídeo, com cara de reality show, mostrando o dia a dia de Larry David, um dos criadores de Seinfeld (uma das mais bem sucedidas séries da história da tv). O formato da série era sempre o mesmo: David criando confusões e se metendo em situações constrangedoras e desconfortáveis.

Larry David não é grandes coisas como ator, mas faz um Boris Yellnikoff perfeito. O que é curioso é que o roteiro de Tudo Pode Dar Certo (Wathever Works no original) não foi escrito para David. Woody Allen escreveu este roteiro décadas atrás, pensando em Zero Mostel (o Max Bialystock do primeiro Primavera Para Hitler). Quando Mostel morreu, em 1977, Allen guardou o roteiro e aparentemente se esqueceu dele…

Se lembram da crítica que fiz à diferença de idades entre os pares românticos nos filmes de Allen? Cheguei a citar no Top 10 de piores casais. Mas aqui o casal me convenceu, apesar da diferença de 40 anos entre Larry David e Evan Rachel Wood. O modo como eles se conhecem e como todo o relacionamento se desenvolve, desta vez não pareceu forçado.

Como acontece em vários filmes de Woody Allen, a história é simples, o que tem de legal aqui são personagens bem construídos e diálogos bem escritos. Temos algumas situações bem interessantes, gostei dos destinos que os pais de Melody tiveram.

Desta vez, o elenco não é recheado de estrelas, como acontecia anos atrás. Além de David e Wood, temos Patricia Clarckson, Ed Begley Jr., Henry Cavill, Michael McKean, Conleth Hill e Jessica Hecht. Ninguém se destaca, tampouco ninguém atrapalha.

O roteiro traz algumas ideias legais, como a quebra da “quarta parede” por Boris (No cinema, teatro e tv, costuma-se chamar a tela de quarta parede. Se um personagem fala com o público, ele está quebrando esta parede.). O legal é que ele fala com o público, mas os outros personagens não sabem o que ele está fazendo…

Leve e divertido, Tudo Pode Dar Certo é uma boa opção, se a sessão do blockbuster estiver lotada.

  • Facebook
  • Twitter

Todos Dizem Eu Te Amo

Todos Dizem Eu Te Amo

Sim, Woody Allen já fez um musical! E, apesar de ser um musical, continuou a ser um típico “filme do Woody Allen”.

Em Todos Dizem Eu Te Amo (Everyone Says I Love You no original), acompanhamos uma grande família da alta classe de Nova York. A história não importa muito, o que é legal é aqui são os vários ótimos personagens interpretados por grandes atores, em situações bem “woodyallenianas”, com direito a todas as neuroses presentes em todos os seus filmes.

Como disse antes, é um musical. Como numa grande homenagem, Allen quis fazer um musical à moda antiga, daqueles onde o ator, no meio de um diálogo, pára de falar e começa a cantar e dançar, e as pessoas em volta o acompanham numa coreografia. Mas o detalhe legal aqui é que os atores não foram escolhidos pelos seus dotes líricos! Ou seja, nem todos cantam bem…

(Aliás, rola uma história interessante sobre isso: Allen só dizia para os atores que se tratava de um musical depois deles assinarem o contrato!)

Independente de cantar bem ou não, as cenas musicais são ótimas. Algumas das coreografias são muito legais, como a do hospital, a da funerária ou a da loja de jóias (com direito a Edward Norton sapateando!). E, last but not least, o número musical com Goldie Hawn flutuando é belíssimo!

O elenco é ótimo: Alan Alda, Goldie Hawn, Woody Allen, Julia Roberts, Edward Norton, Drew Barrymore, Natasha Lyonne, Natalie Portman, Lukas Haas, Tim Roth… Tem até um Billy Crudup novinho fazendo um papel pequeno. Se posso apontar um defeito, heu diria que Woody Allen está velho demais para o seu papel. Não me entendam errado, ele está bem interpretando ele mesmo (como sempre, aliás) – só que, na época do filme, ele estava com 61 anos, o que tornou estranho ele ter filhas adolescentes e se envolver romanticamente com uma Julia Roberts então com 29 anos. Não seria melhor se ele tivesse uns 15 anos a menos?

O nome Todos Dizem Eu Te Amo foi tirado de um diálogo do filme Os Gênios da Pelota, dos Irmãos Marx, que também são homenageados com duas músicas tiradas de outros filmes (Os Quatro Batutas e Os Galhofeiros) e ainda um dos números musicais. Pena que Groucho Marx não está mais vivo para poder ver a homenagem…

  • Facebook
  • Twitter