Pica-Pau: O Filme

Pica PauCrítica – Pica-Pau: O Filme

Sinopse (imdb): O pássaro hiperativo de cabeça vermelha entra em uma disputa de território com um grande advogado da cidade que deseja derrubar seu lar para construir uma casa.

Quando vi o trailer, já deu pra sacar: não vinha coisa boa por aí. Mas, vamos ver qualé…

Pica-Pau: O Filme (Woody Woodpecker, no original) tem vários problemas. Começo pela parte técnica. Hoje em dia, em pleno 2017, com a tecnologia atual, é inadmissível um longa metragem de um grande estúdio ter um cgi tão vagabundo. O Pica Pau nunca parece estar no mesmo plano que os atores. Todas as cenas onde pessoas interagem com ele ficaram falsas.

Outro problema está na personalidade do protagonista. Às vezes o Pica Pau é um trollador, outras vezes ele é carente e amigo. Alguns raros momentos mostram o “Pica Pau Maluco” dos desenhos (justamente os melhores momentos), mas logo ele muda de personalidade mais uma vez. Isso deve ser problema com executivos do estúdio…

O estilo do humor é outra coisa que incomoda. Hoje estamos acostumados com humor mais refinado, o universo de filmes infantis “pós Pixar” nos ensinou que o filme pode ter diferentes camadas e agradar adultos e crianças ao mesmo tempo. Uma cena onde o Pica Pau solta cimento fresco pelo teto solar de um carro e dois adultos ficam parados abanando os braços enquanto o cimento cai sobre suas cabeças funcionava anos atrás, mas hoje quero algo mais bem construído.

No elenco, uma curiosidade: um dos principais papéis é de uma brasileira, Thalia Ayala. Pena que ela está mal, como todo o resto do elenco.

Dispensável. Melhor rever alguns desenhos.

  • Facebook
  • Twitter

Os Smurfs 2

Crítica – Os Smurfs 2

Com a intenção de conseguir roubar a essência dos Smurfs, Gargamel cria os Danadinhos, uma espécie de “Smurf do mal”. Com a ajuda destes, Gargamel consegue sequestrar Smurfette e foge com eles para Paris.

Confesso que gostei do primeiro filme dos Smurfs. Mas concordo que não precisava de uma continuação.

O problema é que a continuação, mais uma vez dirigida por Raja Gosnell, praticamente repete o primeiro filme. As únicas diferenças são a mudança de locações, de Nova York para Paris; e a introdução de dois novos personagens no núcleo dos humanos, o filho e o padrasto.

Aproveito a deixa pra falar do núcleo dos humanos. No primeiro filme, era novidade vermos Smurfs no mundo “normal”. Esta novidade não existe mais. E o núcleo dos humanos perde o propósito. É uma pena vermos bons atores como Neil Patrick Harris e Brendan Gleeson completamente desperdiçados. O único que se salva é Hank Azaria, que mais uma vez impressiona com o seu Gargamel.

(Fica a dúvida: será que não seria mais interessante um filme todo dentro da aldeia dos Smurfs? Porque a melhor parte do filme é a introdução, que mostra a origem da Smurfette.)

Além do Gargamel, os efeitos especiais também são muito bons. Os Smurfs e os Danadinhos são muito bem feitos, e o gato Cruel mais uma vez rouba a cena.

Ah, pra quem for assistir com o áudio original, a Smurfette volta a ser dublada pela cantora Katy Perry, que agora tem a companhia da Christina Ricci, que dubla a Danadinha Vexy.

Pena que, no fim, fica a impressão de um prato requentado. E o pior é que já anunciaram o Smurfs 3…

  • Facebook
  • Twitter

Os Smurfs

Crítica – Os Smurfs

Adaptação do desenho animado que passava na tv nos anos 80, que por sua vez era uma adaptação dos quadrinhos do desenhista belga Peyo.

Fugindo do temível Gargamel, seis smurfs vão parar em Nova York. Mas Gargamel e seu gato, Cruel, vão atrás.

O filme dos Smurfs sofre de um problema. O desenho era bem famoso, mas era bem ingênuo, bem bobinho. Vai despertar saudades em muitos marmanjos, que provavelmente nem se lembram de como a temática era infantil. Ou seja, quem estiver movido apenas por nostalgia tem uma grande chance de se decepcionar, porque o filme mantém o foco no mesmo público alvo: a criançada.

Dirigido por Raja Gosnell (também responsável pela adaptação de Scooby Doo), o filme é bobinho como era o desenho. Mas agrada em cheio a molecada – na sessão que heu estava, bateram até palmas!

Se a trama é ingênua e previsível, pelo menos o roteiro mexe com alguns clichés “smurfianos”. Por exemplo, implica com a mania que eles têm de colocar a palavra “smurf” em quase todos os diálogos, e também com os nomes, ligados às personalidades de cada um. E a musiquinha repetitiva (e às vezes irritante) também é citada.

A parte técnica é excelente. Os smurfs são cgi, mas são muito bem feitos – tão “reais” que parecem estar realmente lá com os atores. A vila dos smurfs também é muito bem feita, com detalhes impressionantes. Mas o que achei ainda mais legal foi o gato Cruel. Entre optar por um gato de verdade, ou um gato digital (como o Garfield), fizeram um meio termo: o gato tem a aparência de um gato real, mas tem expressões criadas digitalmente. O Cruel é um espetáculo à parte!

O filme está disponível em versão 3D. Não sei se vale a pena pelo filme todo, mas pelo menos duas sequências ficaram legais em 3D: o travelling inicial e a viagem pelo portal.

No elenco, o destaque óbvio é Hank Azaria, irreconhecível como Gargamel. Não só a caracterização está perfeita como ele ainda faz um vilão à moda antiga, daqueles que a plateia torce contra. O resto do elenco conta com nomes vindos da tv: Neil Patrick Harris (How I Met Your Mother), Jayma Mays (Glee) e Sofia Vergara (Modern Family).

Vi a versão dublada, então não posso falar sobre os atores que dublam os smurfs no original. Mas consegui pegar uma “piada interna”: Katy Perry, cantora da música “I Kissed a Girl”, faz a voz da Smurfete, que determinado momento solta um “I Kissed a Smurf”… Funciona bem, assim como outras piadas discretas aqui e acolá – reparem que, em cima dos táxis, rolam propagandas de Blurray e do Blue Man Group.

Durante os créditos, rolam desenhos originais de Peyo. E mais uma boa piada: “Nenhum gato digital foi machucado durante as filmagens”.

Enfim, boa opção pra criançada. Mas acho que adultos podem achar infantil demais.

.

.

Se você gostou de Os Smurfs, Blog do Heu recomenda:
Toy Story 3
A Pedra Mágica
Rio

  • Facebook
  • Twitter

O Último Mestre do Ar

O Último Mestre do Ar

Estreou o novo Shyamalan. E aí? É bom como o seu primeiro filme, Sexto Sentido? Ou ruim, muito ruim, como o seu último, Fim dos Tempos?

Trata-se da adaptação do desenho Avatar: The Last Airbender, da Nickelodeon, que conta a história de um lugar onde existem “dobradores”, pessoas pessoa que têm poderes para manipular um dos quatro elementos (ar, água, terra e fogo).  O garoto Aang é o último “dobrador do ar”, e, segundo uma profecia, ele é o Avatar, um ser de habilidades extraordinárias e o único capaz de controlar todos os elementos. Com a ajuda dos irmãos Katara e Sokka, Aang tem de trazer novamente o equilíbrio entre os povos, finalizando assim o conflito iniciado pela Nação do Fogo.

Rola um grande pé atrás com relação ao diretor Shyamalan.Vou copiar aqui o que escrevi no Top 1o de estilos de filmes ruins: “Até hoje, não sei se M Night Shyamalan é um bom diretor passando por uma longa fase ruim; ou um picareta que conseguiu fazer um excelente filme de estreia. Vamos analisar os seus seis filmes até hoje? Seu primeiro filme, O Sexto Sentido, é muito bom, um dos melhores de 1999. Depois veio Corpo Fechado, bom filme, mas parecido demais com o primeiro. Depois veio Sinais, que começa bem, mas termina mal, muito mal. Aí veio A Vila, ideia interessante, mas que não sustenta um longa, seria um bom episódio de uma série tipo Twilight Zone. Dama na Água veio em seguida, e é ruim, ruim, ruim. Se fosse despretensioso, seria um bom trash. Por fim, veio Fim dos Tempos, que é tão ruim, mas tão ruim, que talvez seja pior que Dama na Água.”

O Último Mestre do Ar não é bom como Sexto Sentido, mas pelo menos não é tão ruim quanto os dois últimos…

De positivo, temos belíssimos cenários e excelentes efeitos especiais. Um filme desses seria impossível de ser feito sem os efeitos digitais de hoje em dia, já que os “dobradores” ignoram as leis da física ao manipularem seus elementos. Além disso, as lutas são bem coreografadas.

Mas isso não é o suficiente para um filme longa metragem. A história é fraca e o roteiro, mal escrito. E olha que foi a primeira vez que Shyamalan filmou um roteiro escrito por outra pessoa! Nunca vi o desenho animado, mas pelo que li na internet, os personagens lá são mais bem construídos. Também li que o desenho tinha humor, coisa que não rola aqui no filme – as poucas situações de alívio cômico são muito bobas.

Pra piorar, o elenco é cheio de nomes desconhecidos que não estão bem (o único nome que heu reconheci é Dev Patel, de Quem Quer Ser Um Milionário). Noah Ringer, que interpreta Aang, foi escolhido porque sabe lutar bem e é parecido com o Aang do desenho, mas é um ator ruinzinho… Os atores estão todos (sem excessão) acima do tom. Aí tudo fica parecendo caricato demais.

E parece que Shyamalan pretende fazer uma trilogia. Logo no início do filme, lemos que este é o “primeiro livro”…

Também preciso falar sobre o trailer. Assim como em Fim dos Tempos, o trailer aqui era empolgante, mostrava Aang praticando suas técnicas, num templo, cercado de velas. Depois a câmera saía do templo onde estava Aang e víamos que ele estava prestes a ser atacado por centenas de inimigos. ESTA CENA NÃO ESTÁ NO FILME!!!

Para finalizar, vou contar uma piada que ouvi. Shyamalan pretendia chamar o filme de “Avatar”, assim como o desenho. Mas o Avatar de James Cameron já estava em produção. Então, deve ter rolado um diálogo mais ou menos assim:
- Oi, eu sou o M Night Shyamalan, fiz um filme muito bom em 99, mas depois nunca mais consegui acertar, e meus dois últimos filmes foram fracassos de bilheteria.
- Oi, eu sou o James Cameron. Meu último filme é a maior bilheteria da história de Hollywood e ganhou 11 Oscars. E também fiz…
- Ok, sr. Cameron, pode ficar com o nome…

  • Facebook
  • Twitter