O diabo e o Padre Amorth

O diabo e o Padre AmorthCrítica – O diabo e o Padre Amorth

Sinopse (catálogo do Festival do Rio): Mais de 40 anos depois do lançamento de O exorcista, o diretor William Friedkin se pergunta o quão perto chegou da realidade ao realizar seu filme mais icônico. Depois de conhecer o Padre Gabriele Amorth, um senhor de 91 que é conhecido como o “Mestre dos Exorcistas”, Friedkin consegue permissão para acompanhar e filmar o mais recente exorcismo executado pelo sacerdote. A vítima de possessão é uma mulher italiana que vem sofrendo incômodas mudanças físicas e de comportamento que seu psiquiatra não consegue solucionar.

Sabe quando uma ideia parece legal no papel, mas não funciona na tela? É o caso.

O diabo e o Padre Amorth (The Devil and Father Amorth, no original) se propõe a mostrar um exorcismo real, filmado pelo diretor do maior filme de exorcismo da história. Taí, parece ser uma boa.

Só parece. O diabo e o Padre Amorth passa um bom tempo da sua curta duração (só 68 minutos) preparando o espectador para o tal exorcismo. Quando acontece, é uma cena looonga onde quase nada acontece. Depois temos um depoimento sobre a mulher exorcizada, mas sem imagens, o que nos leva a desconfiar de sua veracidade. Por fim, algumas entrevistas com médicos e padres, que pouco acrescentam.

Decepcionante. Se o exorcismo real é aquilo que aparece no filme, prefiro ficar só com o exorcismo cinematográfico…

  • Facebook
  • Twitter

Searching For Sugar Man

Crítica – Searching For Sugar Man

Ano passado, li sobre este Searching For Sugar Man quando passou no Festival do Rio, mas não me interessei muito. Admito que não sou fã de documentários. Acho que 90% do interesse num documentário está no objeto a ser documentado – se você gosta do assunto, vai gostar do documentário; se não gosta, nem vai ver. Mas as recomendações eram boas, então fui procurar o filme.

Sixto Rodriguez foi um cantor de folk que, nos anos 70, lançou dois discos que não fizeram sucesso, e desapareceu depois disso. Boatos indicavam que ele tinha se suicidado, mas não havia qualquer confirmação. Até que, nos anos 1990, um grupo de fãs da África do Sul resolveu desvendar a verdade por trás do paradeiro do cantor.

Searching For Sugar Man tem falhas na narrativa. Mas a história de Rodriguez, o músico documentado, é boa, e torna o filme interessante de se ver. Rodriguez gravou dois discos, não vendeu nada e desapareceu depois. Só que ele fez um sucesso absurdo na África do Sul. O problema é que ninguém na África do Sul tinha contato com o músico, e este não sabia que fazia sucesso em outro país…

Mas, se a história é interessante, o filme tem falhas. Em determinado momento, um pesquisador diz que vai “seguir o dinheiro” para tentar descobrir o paradeiro de Rodriguez. Mas, depois de conversar com um ex-produtor (que se estressou no meio da entrevista), deixam a ideia de lado e ninguém mais fala disso. Mais: se tudo aquilo que vemos aconteceu em 1998, por que todas as entrevistas são tratadas como se fossem feitas nos dias de hoje?

A sorte de Searching For Sugar Man é que o tema abordado foi bem escolhido – a história de Rodriguez é muito boa. Se você abstrair os problemas, pode até curtir o filme.

  • Facebook
  • Twitter

Comic-Con Episode IV – A Fan’s Hope

Crítica – Comic-Con Episode IV – A Fan’s Hope

Documentário sobre a mais famosa de todas as convenções nerds, chamado pelo Festival do Rio de “A Saga Comic-Con, O Sonho de um Fã”.

A Comic-Con em San Diego é a maior convenção de quadrinhos e cultura geek do mundo, onde centenas de sonhos e aspirações se encontram. Acompanhamos alguns anônimos que pretendem realizar seus sonhos durante a convenção.

A Comic-Con é o sonho de todo nerd – heu mesmo já pensei em viajar pra San Diego só pra visitar a convenção. O diretor Morgan Spurlock (autor de Super Size Me, aquele documentário onde ele passa o mês inteiro comendo no McDonald’s) fez um bom trabalho mostrando detalhes deste mundinho alternativo que atrai milhares de pessoas a cada ano.

Comic-Con Episode IV – A Fan’s Hope mostra dois ilustradores que desejam ser contratados por editoras de quadrinhos, uma criadora de fantasias, um comerciante de quadrinhos em busca de uma grande venda e um cara que pretende propor sua namorada em casamento, entre outros.

A dinâmica do documentário é interessante: acompanhamos os “personagens” apresentados em suas incursões durante a Comic-Con. Entremeando isso, temos depoimentos de um monte de gente famosa, como Kevin Smith, Seth Rogen, Stan Lee, Frank Miller, Joss Whedon, Keneth Branagh, Eli Roth, Seth Green e Zachary Quinto, entre vários outros.

Às vezes o filme parece um reality show. Alguns terminam o evento mais bem sucedidos que outros, o que prende a atenção até o fim – será que este vai conseguir o que pretendia? Nisso, Comic-Con Episode IV – A Fan’s Hope é bem eficiente, me vi torcendo por alguns deles.

Algumas histórias são mais interessantes que outras (um cara quer ir para a Comic-Con apenas pra comprar um determinado boneco, que está no catálogo do fabricante, não me pareceu uma tarefa muito difícil…). Isso torna o documentário irregular. Talvez Spurlock devesse focar mais nas melhores histórias.

As entrevistas com famosos são muito boas. Algumas sacadas são hilárias. Kevin Smith contou que uma vez foi cumprimentado por Stan Lee ao chegar na Comic Con. E ele se lembrou que quando tinha 11 anos de idade, se imaginava indo pra Comic Con e cumprimentando o Stan Lee. E agora ele imaginava ele com 11 anos vendo a cena, e o que ele diria? “Como você engordou!”

Não sei se o público “não nerd” vai curtir Comic-Con Episode IV – A Fan’s Hope. Mas é um programa obrigatório para nerds e geeks!

  • Facebook
  • Twitter

A Liar’s Autobiography – The Untrue Story of Monty Python’s Graham Chapman / Monty Python – A Autobiografia de um Mentiroso

Crítica – A Liar’s Autobiography – The Untrue Story of Monty Python’s Graham Chapman / Monty Python – A Autobiografia de um Mentiroso

Alguns filmes se tornam “obrigatórios” só pela descrição. Este A Liar’s Autobiography – The Untrue Story of Monty Python’s Graham Chapman é um deles. Vejam a sinopse oficial do Festival do Rio:

Pouco antes de sua morte, em 1989, Grahan Chapman, membro do extinto grupo britânico de humor Monty Python, teve sua voz captada durante a leitura de sua autobiografia lançada em 1980. Utilizando-se deste áudio como guia narrativo, 15 diferentes estúdios produziram 17 estilos de animação distintos para representar as memórias e mentiras deste ícone do humor inglês. Quatro sobreviventes da trupe, Terry Gilliam, John Cleese, Michael Palin e Terry Jones, se reuniram para dar voz aos personagens.

Animações em estilos variados, narração usando a própria vez de Chapman, e ainda participação de outros quatro ex Monty Python? Imperdível para fãs! A dúvida era: será que A Liar’s Autobiography – The Untrue Story of Monty Python’s Graham Chapman é só pros fãs, ou além disso é um bom filme?

Infelizmente, só pros fãs…

A Liar’s Autobiography – The Untrue Story of Monty Python’s Graham Chapman tem um problema grave: não tem humor. Sim, é um filme sobre o Monty Python, um dos grupos mais engraçados da história do cinema / televisão, mas é um filme com poucos momentos engraçados. Quase todas as piadas estão em imagens de arquivo – justamente os trechos que não são em animação.

E, para os fãs, rola um outro problema: dentre os 17 estilos de animação, não rola o “estilo Terry Gilliam”! Procurei pela internet uma explicação pra isso, segundo o que encontrei, Gilliam não quis participar do projeto, e por isso os diretores Bill Jones, Jeff Simpson e Ben Timlett proibiram as equipes de copiarem o estilo de Gilliam.

A narrativa pega trechos soltos da biografia escrita por Chapman e seu parceiro David Sherlock, e nem sempre segue uma linha lógica, deixando o filme meio confuso às vezes. Nada muito grave, por causa da opção da narrativa fragmentada. Pelo menos as mudanças de estilos de animação são bem interessantes, e algumas sequências são muito boas (gostei do trecho dentro do avião).

O que é interessante aqui é mostrar peculiaridades da vida de Chapman, como o seu problema com álcool ou a sua homossexualidade (ou seria bissexualidade?). Pena que o filme traz poucas novidades, neste aspecto o documentário Monty Python: Almost the Truth – Lawyers Cut, lançado em 2009, é bem mais completo.

No elenco, John Cleese, Michael Palin, Terry Jones e Terry Gilliam fazem vários personagens cada um, além de Carol Cleveland, antiga colaboradora. Além deles, Cameron Diaz empresta sua voz a Sigmund Freud em uma das sequências.

Enfim, só para fãs hardcore.

p.s.: Copiei e colei lá em cima a sinopse que está na programação. Mas tive que fazer uma pequena correção. A sinopse falava “os quatro sobreviventes”. Mas são cinco! Quem escreveu a sinopse esqueceu do Eric Idle! (que, se vi direito, aparece de relance na cena do velório de Chapman)

  • Facebook
  • Twitter

Projeto X – Uma Festa Fora de Controle

Projeto X – Uma Festa Fora de Controle

Três amigos resolvem organizar uma grande festa para comemorar o aniversário de um deles, e tentar com isso ganhar mais popularidade na escola. Mas a festa começa a ficar grande demais e tudo sai do controle – cada vez mais.

Não espere um grande filme, porque Projeto X – Uma Festa Fora de Controle não é. Mas quem nunca imaginou participar de uma festa épica, em todos os sentidos possíveis? Quem já pensou em festas assim vai se divertir.

Apesar de não ser exatamente uma comédia, a estrutura de Projeto X – Uma Festa Fora de Controle lembra uma, no estilo dos dois Se Beber Não Case. Coincidência ou não, o produtor dos dois filmes é o mesmo Todd Phillips. Uma comédia onde as coisas vão piorando ao longo do filme, até chegar a uma situação absurda e fora de qualquer limite. E o que mais interessante aqui é que achei tudo mais crível do que nas comédias citadas.

O estilo usado pelo diretor estreante Nima Nourizadeh é a câmera subjetiva, o recurso, hoje batido, de “found footage” – “encontraram” as filmagens. Na minha humilde opinião, é um dos pontos fracos do filme. Se por um lado esse recurso aproxima o espectador dos acontecimentos, por outra deixou tudo muito artificial, já que outros ângulos foram utilizados além da câmera usada pelos personagens para documentar a festa. Por exemplo: como é que eles conseguiriam a filmagem do helicóptero, na cena que estão no telhado?

O elenco não tem nenhum nome conhecido (como tem que ser neste estilo de filme). Os jovens novatos Thomas Mann, Oliver Cooper e Jonathan Daniel Brown estão bem. Só tem uma coisa que não gostei no elenco: a escolha da atriz Kirby Bliss Blanton para o papel de Kirby. A atriz não está mal, o problema é que um cara como Thomas não teria uma amiga com aquele perfil, loura, popular e bonitona. Ele até poderia ter uma amiga mulher, mas esta teria o visual mais discreto.

Tem gente no imdb comparando Projeto X – Uma Festa Fora de Controle com Curtindo a Vida Adoidado. Menos, né, galera? Projeto X é divertido, mas precisa comer muito arroz com feijão pra chegar perto daquele que é considerado um dos melhores filmes da década de 80!

No fim, a gente se questiona se no mundo real o caos gerado pela festa chegaria àquelas proporções. Provavelmente não. Mas, como cinema, valeu.

.

.

Se você gostou de Projeto X – Uma Festa Fora de Controle, o Blog do Heu recomenda:
Superbad – É Hoje
Uma Noite Fora de Série
Se Beber Não Case

  • Facebook
  • Twitter

Rock Brasilia: Era de Ouro

Crítica – Rock Brasilia: Era de Ouro

Durante o Festival do Rio, costumo deixar de lado documentários musicais. Nada contra, é que priorizo filmes toscos com pouca chance de entrar no circuito. Mas quando li sobre este Rock Brasilia: Era de Ouro, achei que era a minha cara – pra quem não sabe, gosto tanto do estilo que fundei uma banda só de rock nacional anos 80, a Perdidos na Selva (a banda ainda existe, mas não toco mais nela).

O documentário de Vladimir Carvalho fala sobre o “rock de Brasília” – enquanto o rock nacional estourava no eixo Rio-SP, três bandas que vieram da capital alcançaram o sucesso: Legião Urbana, Plebe Rude e Capital Inicial.

Além de imagens de arquivo, o filme mescla entrevistas atuais com outras feitas anos atrás. Isso era essencial, afinal, Renato Russo, morto há exatos 15 anos, é um dos personagens principais dessa galera. Esse artifício da “entrevista de arquivo” funciona muito bem. Os relatos de Renato Russo se encaixam perfeitamente com os depoimentos atuais de Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá (Legião), André Mueller e Philippe Seabra (Plebe), Dinho Ouro Preto, Fê e Felipe Lemos (Capital). Até parece que as entrevistas foram feitas na mesma época.

Se por um lado as entrevistas misturadas funcionam, por outro, o texto fica um pouco confuso, principalmente na parte final, quando acontecem os relatos do que aconteceu com cada uma das três bandas depois dos anos 80. São três histórias entrecortadas, e cada uma delas nada tem a ver com as outras.

Outra coisa que senti falta foi das pessoas que fizeram parte da história mas não estão no filme. André Pretorius, um dos fundadores da banda seminal Aborto Elétrico (junto com Renato Russo e Fê Lemos), é citado como um personagem importante, mas o filme não fala do que aconteceu com ele (pesquisei na wikipedia, ele faleceu de overdose, em 1987, na Alemanha, então com 26 anos). O mesmo posso falar sobre os outros componentes das três bandas – Negrete (Legião), Loro Jones e Bozo Barretti (Capital), e Jander e Gutje (Plebe), que foram deixados de lado no documentário – Gutje fala rapidamente em uma entrevista antiga, Jander e Negrete aparecem em imagens de arquivo, Loro Jones é ignorado, e Barretti é citado como alguém que atrapalhou o sucesso do Capital.

Apesar disso, gostei do filme, que documenta passagens históricas interessantes, como o famoso show de Brasília onde Renato foi atacado por um fã e depois comprou briga com os seguranças, ou um relato sobre a primeira viagem da Plebe, ou ainda as reações de Chico e Caetano ao verem a Legião pela primeira vez em seu programa de tv na Globo.

Imperdível para fãs de rock nacional anos 80!

  • Facebook
  • Twitter

Cropsey

Crítica – Cropsey

Documentário sobre Andre Rand, suposto assassino serial pedófilo de Staten Island.

Talvez tenha sido erro de interpretação de texto da minha parte. Mas achei que a sinopse oferecida pelo Rio Fan dá a impressão que é outro tipo de filme: “Ao descobrirem que era real a lenda urbana que os aterrorizava quando mais novos, uma dupla de cineastas decide descobrir o mistério por trás do desaparecimento de cinco crianças.” Sei lá, viajei, achei que a história podia entrar numa onda “Bruxa de Blair“, mas, nada, é um documentário careta.

(Acho que heu não fui o único, finda a sessão, conversei com outras duas pessoas que também não sabiam que Cropsey era um documentário…)

Enfim… já falei aqui em outras ocasiões o meu problema com documentários. Não tenho nada contra, mas acho que o interesse do espectador no documentário está diretamente ligado ao interesse no assunto documentado. Se gosto do tema, quero ver o documentário; se não gosto, dispenso…

Pelo menos posso atestar que Cropsey funciona redondinho. Até o fim ficamos na dúvida sobre a inocência (ou não) de Rand.

Mas bem que heu preferia ver um filme de terror – ficção – com esse tema…

  • Facebook
  • Twitter

E Aí Hendrix?

E Aí Hendrix?

Já falei antes aqui no blog, não sou muito fã de documentários. Meu interesse no documentário é proporcional ao meu interesse no assunto tratado. Pra minha sorte, gosto do assunto de E Aí Hendrix?!

O documentário de Pedro Paulo Carneiro e Roberto Lamounier fala, claro, sobre o Jimi Hendrix. Liderada pela cantora Pitty, uma equipe foi até Londres, entrevistou contemporâneos do guitarrista, visitou lugares históricos (relacionados a Hendrix) e assistiu um show cover, feito por John Campbell e a banda Are You Experienced. Entremeando o “diário de bordo de Londres”, vemos trechos de  entrevistas com gente como Roberto Frejat, Pepeu Gomes, Robertinho do Recife e Davi Moraes.

O documentário não é careta. Alguns detalhes que poderiam ser classificados como defeitos técnicos dão ao filme um charme irresistível, coisas como tomadas não convencionais, câmera trêmula, ruídos no áudio – aparece o reflexo do diretor em uma tela de computador, durante uma entrevista por skype!

Uma decisão acertada dos realizadores, na minha humilde opinião, foi manter o foco apenas na música, sem mencionar nada da sua conturbada relação com as drogas. Se bem que o filme podia explicar um pouco – a Garotinha Ruiva estava comigo, e me perguntou como Hendrix morrera…

Em alguns momentos, a edição podia enxugar um pouco o filme. Por exemplo, achei o “momento Purple Haze” longo demais. Aliás, de um modo geral, rolou um excesso de imagens do cover de John Campbell. O cover é legal, mas acredito que seria mais interessante vermos mais imagens de arquivo.

Não sei se E Aí Hendrix? será lançado, o circuito para documentários é algo complicado hoje em dia. Mas vale a pena para quem curte este que foi um dos maiores guitarristas da história!

.

.

Se você gostou de E Aí Hendrix?, o Blog do Heu recomenda:
It Might Get Loud
Rush – Beyond The Lighted Stage
A Vida Até Parece Uma Festa

  • Facebook
  • Twitter

Jackass 3D

Jackass 3D

Johnny Knoxville e seus amigos malucos estão de volta!

Alguém aí não sabe do que se trata? Vou explicar: um grupo de insanos inconsequentes (li em algum lugar que são dublês) começaram um programa na MTV, dez anos atrás, onde a ideia era, basicamente, ver eles mesmos se ferrando. Ou eles faziam algo perigoso e alguém saía machucado, ou então algo nojento. A parte da nojeira não me atrai, mas os momentos onde eles quase sempre se machucam são muito engraçados. A série virou filme, formato onde eles podem ousar um pouco mais. E agora, no terceiro filme, as abobrinhas são em 3D!

Este terceiro filme segue a “cartilha jackassiana”: Knoxville e seus amigos sem bom senso (Bam Margera, Steve-O, Ryan Dunn, Wee Man, Preston Lacy, Chris Pontius e Dave England, entre outros) alopram geral. E sempre caem na gargalhada quando algum deles se dá mal…

É difícil falar de um filme desses. Afinal, quem se propõe a ver, já sabe o que vai encontrar. Quem não curte, passa longe de filmes assim!

Mas, para quem curte, é um prato cheio. Como falei lá em cima, não curto muito a parte escatológica (quase vomitei no “momento suor”). Mas, por outro lado, rolei de rir diversas vezes, como quando um deles, vestido de pato, é jogado para o alto enquanto os outros, armados de espingardas de paintball, tentam acertá-lo no ar; ou quando Knoxville, pintado igual a um painel, tenta “ficar invisível” para um touro não encontrá-lo; ou quando eles tentam ficar atrás da turbina de um jato; ou quando Steve-O e mais um tentam acalmar um bode com instrumentos de sopro, ou então os “prisioneiros” tentando fugir através de um corredor cheio de armas de choque…

E o momento mais engraçado de todo o filme não teve nada de perigoso, nem de escatológico. Foi um momento completamente nonsense: mostram um bar, com pessoas comuns, filmadas com câmeras escondidas. Um casal de anões vai até o balcão, pedem uma cerveja. Chega outro anão, começa a discutir, porque aquela seria a namorada dele. O anão sai, e volta com mais 3 anões, que começam a bater no primeiro anão.Alguém chama a polícia, entram dois anões vestidos de policiais, que entram na briga! Alguém chama os paramédicos, entram dois anões vestidos de paramédicos! Acho que desde os filmes do George Lucas nos anos 80 que não vejo tantos anões juntos!

Os efeitos em 3D são bem utilizados, assim como uma câmera lenta que capturava 1000 frames por segundo (um filme “normal” usa 24 quadros por segundo). Determinado momento, atiram algo na direção da tela. Quando a imagem fica nítida, notamos que é um pênis de borracha, que depois passeia em câmera lenta por alguns cenários, antes de bater em alguém. E rolam vááários socos em câmera lenta…

Claro, o filme não é 100%, além da escatologia desnecessária (mas que faz parte da mitogia Jackass), alguns momentos são meio bobos. Mas, por outro lado, eles estão juntos há tanto tempo, que a química que rola entre eles fica nítida. Em alguns momentos (como, por exemplo, na cena da super-cola), a gente vê o brainstorm de bobagens pairando no ar. Isso é bem legal!

Este é pra ver no cinema, em 3D. Mas de barriga vazia!

  • Facebook
  • Twitter

A Vida Até Parece Uma Festa

A Vida Até Parece Uma Festa

Documentário sobre banda paulista Titãs, um dos maiores nomes do rock nacional dos anos 80, escrito e dirigido pelo vocalista Branco Mello e por Oscar Rodrigues Alves. Sem se preocupar com narração nem com ordem cronológica, o filme mostra vários momentos importantes da carreira da banda.

Como coleção de imagens, o filme é um deleite para os fãs. São inúmeras gravações de todas as fases da banda. Arquivos de tv, gravações pessoais, trechos de shows, bastidores de estúdio, descontração nas viagens… Branco Mello, Tony Bellotto, Charles Gavin, Paulo Miklos, Sérgio Britto, Nando Reis, Marcelo Fromer e Arnaldo Antunes estão bem à vontade, e em várias épocas diferentes – vale lembrar que a banda surgiu em 1981 e está aí até hoje!

Mas como documentário, é fraco. A opção de não usar uma linha narrativa enfraquece momentos importantes. Por exemplo: André Jung, primeiro baterista da banda, trocou de lugar com Charles Gavin, então no Ira!. Isso é citado rapidamente por Charles, de maneira casual. O mesmo acontece com a participação de Ciro Pessoa (o “nono Titã”), com a prisão de membros da banda por envolvimento com heroína e com a saída de Arnaldo da banda – a saída de Nando e a morte de Frommer estão mais bem documentadas. Quem conhece a história dos Titãs conhece tudo isso, mas, e os que não conhecem?

Tem outro problema, este de ordem técnica – o volume das músicas está muito mais alto que os diálogos. Poxa, as músicas a gente já conhece. Os diálogos é que são novidade!

Mesmo assim, A Vida Até Parece Uma Festa é obrigatório para os fãs do Rock BR. O filme traz algumas cenas bem interessantes, como a apresentação do seminal Trio Mamão e as Mamonetes (com Branco Mello, Marcelo Fromer e Tony Bellotto) num programa de tv, onde Wilson Simonal era jurado. Gostei também do momento embaraçoso, quando o produtor Liminha dá uma grande bronca em Charles durante uma gravação. Quer dizer, gostei de ver, mas não queria estar presente…

  • Facebook
  • Twitter