O Bar / El Bar

El BarCrítica – O Bar / El Bar

Sinopse (imdb): No movimentado centro de Madrid, um tiro e duas mortes misteriosas aprisionam alguns personagens urbanos heterogêneos em um bar central decrépito, enquanto a paranoia e a suspeição forçam os frequentadores a acusarem uns aos outros.

Sabe quando você é fã de um cara que quase ninguém conhece? Sou assim com o diretor espanhol Álex de la Iglesia. A maior parte das pessoas que conheço nunca ouviu falar, mas contei agora no imdb, O Bar (El Bar, no original; The Bar, em inglês) é o décimo longa dele que vejo – e gosto de quase todos!

O Bar mantém o estilo do diretor: personagens bizarros, clima tenso e uma pitada de humor negro. O jeitão de “festa estranha com gente esquisita” aqui ganha um clima claustrofóbico, porque quase toda a trama se passa em ambientes fechados e apertados.

A claustrofobia é boa pra desenvolver a crescente tensão entre os personagens. E aqui preciso destacar Jaime Ordóñez, que brilha no papel do mendigo alucinado. Também no elenco pouco conhecido por estas bandas, Blanca Suárez, Mario Casas, Carmen Machi, Secun de la Rosa e Terele Pávez.

A parte final muda um pouco o clima do filme. Li críticas negativas por aí com relação a isso, mas isso não me incomodou. Até gostei da mudança – apesar de achar que um dos personagens não conseguiria passar pelo espaço apertado.

A boa notícia é que, diferente de outros filmes do Álex de la Iglesia, este é fácil de encontrar: está no Netflix!

  • Facebook
  • Twitter

Assassinato no Expresso do Oriente

Assassinato no Expresso do OrienteCrítica – Assassinato no Expresso do Oriente

Sinopse (filmeB): Várias pessoas estão fazendo uma viagem longa em um luxuoso trem, porém, um terrível assassinato acontece. A bordo da composição, o detetive Hercule Poirot se voluntaria para iniciar uma varredura no local, ouvindo testemunhas e possíveis suspeitos para descobrir o que de fato aconteceu.

Adaptação do livro de Agatha Christie, que já teve uma versão pro cinema, em 1974, dirigida por Sidney Lumet e estrelada por Albert Finney, Lauren Bacall, Ingrid Bergman, Sean Connery, Jaqueline Bisset e Anthony Perkins, entre outros, Assassinato no Expresso do Oriente (Murder on the Orient Express, no original) sofre de um problema básico: é um “whodunit” que todo mundo já sabe o final.

(Glossário: Whodunit é o estilo de história onde a trama levanta vários suspeitos e o espectador é instigado a descobrir quem é o culpado.)

Já faz muitos anos que vi o filme dos anos 70, mas me lembro justamente da cena que mostra o assassino… Ou seja, sou mais um pra engrossar o coro.

Só não digo que Assassinato no Expresso do Oriente é uma perda de tempo porque a produção é de alto nível, e o elenco é cheio de nomes legais. Afinal, não é todo dia que você reúne Kenneth Branagh, Johnny Depp, Daisy Ridley, Michelle Pfeiffer, Judi Dench, Penélope Cruz, Willem Dafoe, Tom Bateman, Josh Gad, Derek Jacobi e Lucy Boynton. Pena que como o filme gira em torno de um único personagem, o único que tem muito tempo de tela é Branagh. Os outros nem estão mal, mas estão sub aproveitados (nem reconheci a Lucy Boynton, do Sing Street!).

Além disso, outro problema deve afetar a bilheteria: são muitos diálogos, muitas explicações. Uma trama dessas é complexa e cheia de detalhes, e isso ficou um pouco cansativo. Não sei como a audiência de hoje vai receber uma obra assim.

No fim, fica aquela impressão de que era melhor rever o original. Torçamos para que pelo menos isso sirva para apresentar a obra de Agatha Christie para as novas gerações. Porque, claro, existem planos para uma “continuação” – no fim do filme, Hercule Poirot é chamado para ir ao Egito, onde vai se passar Morte sobre o Nilo.

p.s.: No mundo politicamente correto de hoje, será que vão rebatizar “Os Dez Negrinhos”? ;-)

  • Facebook
  • Twitter

A Nona Vida de Louis Drax

Nona Vida de Louis DraxCrítica – A Nona Vida de Louis Drax

Sinopse tirada do site do Festival do Rio: “Louis Drax é um garoto brilhante, mas com sérias dificuldades sociais. Os colegas o consideram estranho e vários acidentes sombrios acontecem a seu redor. Eletrocussão, picadas de aranha e afogamento são apenas alguns dos episódios de risco vivenciados em sua ainda curta vida. Quando completa nove anos, Louis sofre uma queda violenta que o deixa em coma. Ninguém sabe explicar o motivo do acidente, até que o médico Allan Pascal começar a suspeitar que os eventos associados a Louis são mais do que uma simples coincidência. Do diretor Alejandro Aja (Alta tensão, Amaldiçoado).​

O diretor francês Alexandre Aja chamou a atenção do mundo com o ultra violento (e bom) Alta Tensão, de 2003. Depois disso, foi pra Hollywood e ficou no terror com um pé no filme B (mas admito que gosto de Piranha). A Nona Vida de Louis Drax (The 9th Life of Louis Drax, no original) tenta mudar um pouco este cenário.

Baseado no livro homônimo escrito por Liz Jensen, A Nona Vida de Louis Drax começa como uma fantasia infantojuvenil – me lembrei do menino T.S. Spivet de Uma Viagem Extraordinária, dirigido por Jean Pierre Jeunet. Mas o filme logo cai numa arrastada mistura entre drama e suspense. A parte do meio do filme, quando o foco é o insosso romance do médico com a mãe, é interminável. O casal de atores não tem nenhuma química, o romance não convence ninguém – o roteiro deveria incluir algo para mostrar por que o médico se interessou pela mãe do menino, já que a sua esposa era muito mais bonita e interessante.

Pra piorar, o mistério sobre quem é o “monstro” fica óbvio a partir da metade do filme. Pelo menos admito que gostei do plot twist final, heu não esperava aquele fim.

O elenco também não ajuda. O menino Aiden Longworth nem é ruim, mas quando a narrativa acompanha o casal Jamie Dornan (50 Tons de Cinza) e Sarah Gadon (Drácula: A História Nunca Contada), o filme perde muito. Aaron Paul, Oliver Platt, Molly Parker e Barbara Hershey têm papeis menores.

No fim, fica a impressão de que Aja estava perdido. Talvez fosse melhor deixar o romance de lado e ficar só na fantasia. Ou então permanecer no terror B e deixar o filme nas mãos de um diretor que sabe dosar estilos diferentes.

  • Facebook
  • Twitter

O Escaravelho do Diabo

o-escaravelho-do-diabo-posterCrítica – O Escaravelho do Diabo

Quem está acostumado com meus textos sabe que sempre impliquei com o rótulo “filme nacional”. Vocês se lembram da época das vídeo locadoras, onde os filmes eram separados por gêneros? Ação, comédia, drama, terror, ficção científica… e “nacional”? Sim, afinal, a grande maioria dos filmes nacionais segue o mesmo estilo. Bons ou ruins, quase sempre são dramas ou comédias com cara de especial da Globo.

Bem, O Escaravelho do Diabo não segue isso. Adaptação do livro homônimo, escrito por Lúcia Machado de Almeida, parte da série infantojuvenil Vagalume – e que aparentemente foi lido por todo mundo que foi adolescente nos anos 80 (não conheço ninguém da minha idade que não tenha lido). Uma espécie de Harry Potter da minha geração…

Dirigido por Carlo Milani, estreante no cinema mas com vasta experiência na TV, O Escaravelho do Diabo é um suspense infantojuvenil que mostra um misterioso assassino de ruivos que sempre manda besouros para suas vítimas, em uma cidade pequena. No livro, o protagonista era um estudante de medicina, mas no filme isso foi mudado, e agora acompanhamos as investigações de um garoto de 12 anos de idade, o ótimo Thiago Rosseti. Não sei por que mudou, mas pelo menos funciona – o garoto tem boa química com o veterano Marcos Caruso.

O filme tem tudo no lugar certo, trama envolvente, boa fotografia, boas atuações (sou fã do Bruce Gomlevsky – prontofalei). Apesar de ser direcionado ao público jovem (assim como era o livro), não desagrada os adultos. Ah, se o cinema nacional andasse sempre por este caminho…

Ouvi boatos de que iam adaptar outros livros da série Vagalume. Torço para que isso se concretize, lembro que heu era fã de livros como Spharion ou O Mistério do 5 Estrelas!

  • Facebook
  • Twitter

Rua Cloverfield 10

RuaCloverfield10-posterCrítica – Rua Cloverfield 10

Depois de um acidente de carro, uma mulher acorda em um abrigo, com um homem que afirma que o mundo exterior foi afetado por um ataque nuclear ou químico – ou algo ainda pior.

Em primeiro lugar, vamos esclarecer a dúvida: não é uma continuação de Cloverfield Monstro, de 2008, produzido pelo mesmo JJ Abrams. Rua Cloverfield 10 (10 Cloverfield Lane, no original) é um filme novo, com uma história independente, que pode (ou não) se passar no mesmo universo do outro filme.

Pra começar, Rua Cloverfield 10 nem segue o formato found footage. O filme foca mais no suspense em volta do personagem paranoico e seu relacionamento conturbado com os outros personagens.

Falemos mais deste personagem paranoico. John Goodman está ótimo, num personagem que você não sabe se é “mocinho” ou “bandido” – numa hora ele está bonachão e amigável, noutra ele está com ar de psicopata. O roteiro sabe dosar o que mostrar, e o espectador fica sem saber qualé a do personagem. Mary Elizabeth Winstead também está bem.

Outro trunfo do filme é o clima criado dentro do bunker. O diretor estreante Dan Trachtenberg acerta a mão no clima tenso e claustrofóbico.

Pena que o filme escorrega no final. O roteiro pega alguns caminhos tortos, que deixam um sabor estranho na boca do espectador. Mas nada grave, Rua Cloverfield 10 ainda é um bom programa.

Claro, tem gancho pra continuação – que nem o filme de 2008. Mas nada muito grave se a continuação não acontecer. Ou se vier um terceiro filme no mesmo universo (ou não).

  • Facebook
  • Twitter

O Presente

O PresenteCrítica – O Presente

A vida de um jovem casal entra em parafuso quando um conhecido do passado do marido traz presentes misteriosos e um segredo horrível volta à luz depois de mais de vinte anos.

Outro dia falei aqui de Aliança do Crime, filme novo do Johnny Depp, mas onde o menos conhecido Joel Edgerton tem um papel tão importante quanto – talvez até mais. Pois bem, guardei o nome de Edgerton, e olha só que surpresa agradável: o cara escreveu, dirigiu, produziu e protagonizou este bom suspense O Presente (The Gift, no original).

O Presente começa como um thriller nos moldes de Atração Fatal – não existe nada de sobrenatural, estamos lidando com gente desequilibrada. Mas a trama aqui não é tão maniqueísta, descobrimos que todos os lados da história têm os seus podres, o que gera um debate interessante: quem estaria “menos errado”? (O fórum do imdb tem um monte de gente defendendo cada lado).

No elenco, Joel Edgerton e Jason Bateman (mais acostumado a comédias) estão ótimos. Rebecca Hall é que decepciona, numa personagem que parece menos desenvolvida que os de seus companheiros de tela.

Se o meio do filme tem problemas no ritmo, o fim traz um plot twist interessante. O Presente pode não ser um dos melhores filmes do ano, mas comprova que Joel Edgerton é um nome a ser visto com carinho.

  • Facebook
  • Twitter

Voo 7500

voo7500Crítica – Voo 7500

Sem muita expectativa, fui ver este Voo 7500. Sabe que gostei?

Durante um voo de dez horas de duração entre Los Angeles e Tóquio, os passageiros encontram o que parece ser uma força sobrenatural dentro do avião.

Dirigido por Takashi Shimizu (O Grito), este Voo 7500 (7500, no original) não tem a intenção de ser um grande filme, apenas uma diversão despretensiosa e rápida (menos de uma hora e meia).

Todo o filme se passa dentro do avião. O roteiro traz algumas situações meio forçadas (será que é tão fácil encontrar uma mala no compartimento de bagagem de um avião?), mas pelo menos a trama flui bem dentro do ambiente claustrofóbico do avião. E admito que gostei do fim, confesso que não esperava aquilo.

O elenco não tem ninguém muito famoso, mas traz alguns nomes “médios”, como Leslie Bibb (The Midnight Meat Train), Amy Smart (Efeito Borboleta), Ryan Kwanten (True Blood), Scout Taylor-Compton (Halloween), Jamie Chung (Sucker Punch), Nicky Whelan (Halloween 2) e Jonathan Schaech (The Wonders).

Li por aí “pelas internets da vida” que Voo 7500 já estava pronto há anos sem ser lançado, mas não achei ao certo quando foram as filmagens. No imdb, diz que tinha uma previsão de lançamento em agosto de 2012. Será que algo sobrenatural atingiu a produção? ;-)

  • Facebook
  • Twitter

Vanilla Sky

vanilla_skyCrítica – Vanilla Sky

Depois do original, vamos à refilmagem!

Um jovem, bonito e rico herdeiro de uma revista conhece a mulher de seus sonhos, mas pouco depois se envolve num acidente de carro, fica com o rosto desfigurado e vê sua vida entrar em parafuso.

Vanilla Sky é uma refilmagem quase quadro a quadro do original Abre los Ojos. A maior parte das cenas é exatamente igual! Acho que as duas sequências diferentes são a do bar (melhor construída no filme espanhol) e a parte final (mais explicada aqui). Aliás, essa é uma crítica que muitos fazem: nem sempre tudo precisa ser explicado…

Apesar da falta de originalidade, gosto muito deste Vanilla Sky. Se a história já não é novidade, pelo menos a forma é muito bem cuidada. A fotografia é ótima, e a trilha sonora é bem melhor. O produto final hollwoodiano ficou bem palatável – pelo menos isso, né?

A direção ficou com Cameron Crowe (logo depois do genial Quase Famosos), que cinco anos antes tinha feito Jerry Maguire com Tom Cruise. Aqui, denuncio uma injustiça: nos créditos iniciais, o roteiro aparece como se fosse escrito só por Crowe, não vemos o nome de Almenábar! Por que, se os roteiros são quase iguais?

A direção é de Crowe, mas este é um “filme do Tom Cruise”. E é legal ver como o “star power” funciona. Sabe aquela cena inicial, onde vemos Cruise correndo pela Times Square completamente vazia? Não foi cgi! Cruise FECHOU a Times Square para filmar a cena!!!

(Aliás, nada contra Eduardo Noriega, o ator do original, mas achei que o papel combinava mais com o Tom Cruise…)

Uma coisa curiosa, e até onde sei, única na história do cinema: Penelope Cruz fez o mesmo papel nas duas versões! E admito, não gostei… Ainda no elenco, Cameron Diaz, Jason Lee, Kurt Russell, Timothy Spall, Noah Taylor e Tilda Swinton. Johnny Galecki, hoje famoso por The Big Bang Theory, faz uma ponta como o assistente de Cruise.

Mesmo sendo uma refilmagem quase igual ao original, Vanilla Sky é uma boa opção. Mas recomendo ver ambos.

  • Facebook
  • Twitter

Preso na Escuridão / Abre los Ojos (1997)

Abre-Los-OjosCrítica - Abre Los Ojos (1997)

Um jovem rico e bonito encontra o amor da sua vida, mas sofre um acidente que deixa o seu rosto desfigurado.

Antes do podcast “O que você entendeu destes filmes?”, revi Vanilla Sky, e em seguida revi Abre Los Ojos. Mas como aquele é a refilmagem deste, vou falar primeiro do original.

(Mal) lançado no Brasil com título Preso na Escuridão (vi no SBT, ainda na época do VHS!), Abre Los Ojos traz uma impressionante e bem construída trama, meio suspense, meio drama, meio ficção científica, daquelas que o espectador precisa prestar atenção para sacar todas as nuances.

Além de dirigir, Alejandro Almenábar (que tem feito pouca coisa, de 2002 pra cá só dirigiu dois longas, Mar Adentro e Alexandria) também escreveu o roteiro (em parceria com Mateo Gil), que é a melhor coisa do filme. Abre Los Ojos não é um filme fácil, mas o espectador inteligente vai se deliciar com a trama não linear onde nem tudo é o que parece.

Nos papeis principais, Eduardo Noriega (A Espinha do Diabo, Agnosia) e Penélope Cruz (que estava na refilmagem). Ainda no elenco, Najwa Nimri, Chete Lera e Fele Martinez.

Abre Los Ojos foi refilmado quatro anos depois. Diz a lenda que Tom Cruise viu o filme com o seu amigo Cameron Crowe, e Cruise então chamou Almenábar e propôs a refilmagem, e em contrapartida ele “emprestaria” sua então esposa Nicole Kidman para a sua estreia hollywoodiana” (Os Outros). Curiosamente, Penélope Cruz veio no “pacote”, e reencenou o mesmo papel – e depois tomou o posto de Nicole no coração de Cruise… Amanhã falo da refilmagem!

p.s.: Normalmente procuro no google imagens das versões brasileiras dos filmes. Mas não achei deste filme, então peguei a americana, igual à do dvd gringo que tenho.

  • Facebook
  • Twitter

As Duas Faces de um Crime

Primal FearCrítica – As Duas Faces de um Crime (1996)

Um coroinha com cara de inocente é preso, acusado pelo brutal assassinato de um padre. Um famoso advogado resolve assumir a defesa do coroinha, achando que pode ganhar os holofotes pelo caso. Mas algumas verdades ocultas podem aparecer e mudar os rumos da investigação.

Lembro da estreia de As Duas Faces de um Crime (Primal Fear, no original). O nome importante do filme era Richard Gere, mas um estreante roubou a cena. Um estreante que depois mostraria que veio pra ficar, um tal de Edward Norton.

O filme dirigido por Gregory Hoblit (Possuídos, Alta Frequência) é um eficiente “filme de tribunal”, que usa bem todos os clichês do gênero. O que se destaca aqui é o bom elenco, principalmente o então jovem Edward Norton, que impressiona num papel complexo – só não digo mais pra não dar spoilers.

Norton e Gere não estão sozinhos. As Duas Faces de um Crime ainda conta com Laura Linney, Frances McDormand, Terry O’Quinn, Alfre Woodard, Andre Braugher, Maura Tierney e John Mahoney.

Baseado no livro de William Diehl, o roteiro é muito bem construído e tem plot twists bem localizados, e traz uma surpresa no final – ou seja, se você ainda não viu, cuidado com spoilers!

  • Facebook
  • Twitter