Legalize Já

Legalize-JáCrítica – Legalize Já

Sinopse (catálogo do Festival do Rio): Como o encontro entre dois jovens que vendiam camisetas e fitas cassete no centro do Rio de Janeiro para se sustentar pôde dar origem a uma das bandas mais populares do Brasil na década de 1990? O filme narra esse momento transformador na vida de Marcelo – futuramente, conhecido como Marcelo D2 – e Skunk, que culminou na formação do Planet Hemp. Reprimidos por uma sociedade preconceituosa, os dois fizeram da música um grito de alerta e de resistência, conquistando corações e mentes de toda uma geração.​

Uma cinebiografia de uma banda nacional dos anos 90 – gostei da ideia!

Confesso que tinha um pé atrás com a proposta do filme (principalmente pelo nome “Legalize já”). Gosto do som do Planet Hemp, sou amigo de alguns dos integrantes da banda. Mas não sou fã de maconha – nada contra, mas é algo que nunca “fez a minha cabeça”. A boa notícia (pelo menos pra mim) é que Legalize Já foca muito mais na relação entre D2 e Skunk do que na maconha.

Nem todos sabem, mas um dos fundadores do Planet Hemp faleceu antes da banda gravar seu primeiro disco e fazer sucesso. O filme foca neste momento, o início da amizade e a formação da banda, que, segundo a proposta de Skunk, falaria mais de problemas sociais do que de maconha – mas isso é ironizado pelo próprio filme, num diálogo onde alguém comenta “mas as músicas só falam de maconha”. É, a crítica social está lá, mas o que vendeu a banda foi a maconha…

Legalize Já foi dirigido pela dupla Johnny Araújo e Gustavo Donafé, que já tinham feito juntos O Magnata, com roteiro do Chorão (Charlie Brown Jr); e que estão em cartaz com Chocante. A fotografia quase preto e branca, assinada por Pedro Cardillo, traz um visual interessante à história.

No elenco, destaque para Ícaro Silva, que antes já interpretou os cantores Jair Rodrigues e Wilson Simonal no teatro, e que aqui faz um, bom trabalho como o Skunk. Marcelo D2 foi interpretado por Renato Góes, enquanto Stepan Nercessian faz um papel menor como seu pai. Uma boa notícia: na minha humilde opinião, uma das falhas do cinema nacional é o descuido com relação ao sotaque dos atores. Ícaro é paulista; Renato, pernambucano. E ambos passam por cariocas. Finalmente alguém se preocupa com sotaques!

Que venham mais cinebiografias musicais brasileiras!

  • Facebook
  • Twitter

Preenchimento obrigatório *

*

You may use these HTML tags and attributes:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>