Sobrenatural: A Origem

sobrenatural-origem-posterCrítica – Sobrenatural: A Origem

Alguns anos antes dos acontecimentos do primeiro Sobrenatural, a médium Elise Rainier relutantemente concorda em usar sua habilidade em contatar os mortos para ajudar uma jovem que está sendo perseguida por uma entidade sobrenatural.

Rolava uma grande expectativa sobre este Sobrenatural: A Origem (Insidious: Chapter 3, no original). Por um lado, era a terceira parte de um dos melhores filmes de terror da última década; por outro lado, mudou o diretor, o que quase sempre é mau sinal.

(James Wan, diretor dos dois primeiros filmes da franquia (e também de A Invocação do Mal, outro bom terror no mesmo estilo), largou o terror e virou diretor de blockbusters, ele dirigiu Velozes e Furiosos 7 e agora está cotado para dirigir o novo Aquamen. Aqui ele faz uma ponta (como o diretor do teatro) e está na produção, ao lado de dois outros nomes “peso-pesado” do terror contemporâneo, Oren Peli (Atividade Paranormal) e Jason Blum (criador da Blumhouse Productions, responsável por dezenas de filmes de terror nos últimos anos).)

James Wan saiu, mas a franquia continua em boas mãos. Leigh Whannell, roteirista dos dois primeiros filmes (e parceiro de Wan desde a época de Jogos Mortais) assumiu a direção (além de continuar como roteirista). Assim, trago boas notícias: o terceiro filme mantém a qualidade!

Sobrenatural: A Origem segue o estilo dos outros dois filmes. O terror é old school, baseado na tensão e não no gore. Boa ambientação, ajudada por uma trilha sonora tensa, com vários sustos ao longo da projeção. E, de bônus, uma das melhores cenas de atropelamento que já vi.

Trata-se de um prequel, se passa antes do primeiro filme. Não vemos ninguém da família Lambert, mas por outro lado, a Elise de Lin Shaye tem um papel quase principal. Aliás, Lin Shaye é um daqueles casos onde uma grande atriz só é descoberta depois de ralar muito. Shaye está com 71 anos e tem 180 filmes na sua página do imdb, e mesmo assim ainda é um nome pouco conhecido – mas mostra que já deveria estar no primeiro time de Hollywood.

Ainda sobre o elenco: a pouco conhecida Stephanie Scott está bem no papel principal, assim como Dermot Mulroney, que faz seu pai. E Angus Sampson e o diretor Whannell também voltam aos papeis da dupla Tucker e Specs – vemos como eles conheceram Elise.

E aí fica a dúvida sobre a inevitável comparação: Sobrenatural: A Origem é tão bom quanto os outros dois? Olha, posso dizer que pode até não ser um marco na história do cinema de horror como foi o primeiro, mas pelo menos segura a onda da franquia, mantendo-a num elevado nível (coisa que não aconteceu com Jogos Mortais, que foi caindo de qualidade).

Agora resta saber se vai ter um quarto filme. Jogos Mortais parou no sétimo…

  • Facebook
  • Twitter

Preenchimento obrigatório *

*

You may use these HTML tags and attributes:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>