Detroit em Rebelião

detroitCrítica – Detroit em Rebelião

Sinopse (catálogo do Festival do Rio): No verão de 1967, os EUA enfrentavam uma profunda inquietação social, com a Guerra do Vietnã e um número cada vez maior de casos de repressão racial. Durante os protestos em Detroit, a polícia local é chamada para investigar uma denúncia de tiros no Motel Algiers. Ignorando a lei, os policiais interrogam e torturam um grupo de afro-americanos, em um jogo mortal de intimidação. Ao fim da noite, três homens desarmados foram mortos e outros ficaram gravemente feridos. Baseado em uma chocante história real.

Acho que já comentei aqui. Preferia a diretora Kathryn Bigelow dos anos 80/90, quando ela fazia filmes divertidos (Caçadores de Emoções, Quando Chega a Escuridão, Estranhos Prazeres). Mas depois que ela mudou de estilo e passou a fazer filmes “sérios” (Guerra ao terror, A hora mais escura) ela passou a ser mais respeitada e ganhar prêmios (incluindo o Oscar).​ Então ninguém pode reclamar.

Bem, pelo menos ela continua muito boa no que se propõe. Detroit em Rebelião (Detroit, no original) é muito bem conduzido, por uma câmera nervosa, que coloca o espectador lá dentro da ação. A duração do filme é um pouco longa (2 horas e 23 minutos), mas, assim como aconteceu nos filmes anteriores, o filme nunca fica monótono. Bigelow sabe como filmar este tipo de filme!

O elenco é bom. O pouco conhecido Algee Smith manda bem não só interpretando como também cantando. Will Poulter tem cara de mau, e aproveita isso no seu policial mau caráter. Jack Reynor está completamente diferente do papel que fez em Sing Street. John Boyega, do novo Star Wars, está apenas burocrático. Ainda no elenco, Anthony Mackie, Hannah Murray e Kaitlyn Dever.

Detroit em Rebelião vai entrar no circuito. Boa opção para quem gosta do estilo!

p.s.: Com este Detroit, encerro minha participação no Festival do Rio 2017, voltarei aos filmes em cartaz no circuito. É, foram poucos, só 11 filmes este ano. Mas ano que vem tem mais…

  • Facebook
  • Twitter

Caçadores de Emoção (1991)

point breakCrítica – Caçadores de Emoção (1991)

Falei aqui da refilmagem, por que não falar também do original?

Um agente do FBI se infiltra num grupo de surfistas, suspeitos de serem ladrões de bancos.

Virada dos anos 80 pros 90. Um filme que mostrava cenas de ação com esportes radicais, estrelado pelos galãs Keanu Reeves e Patrick Swayze, era sinônimo de filme de ação de sucesso. Visto hoje, ok, o filme envelheceu um pouco. Mas continua leve e divertido!

A direção é de Kathryn Bigelow, hoje mais conhecida como a primeira mulher a ganhar o Oscar de melhor diretora (em 2010, por Guerra ao Terror). Mas nessa época, Kathryn fazia filmes pop – não podemos nos esquecer do bons Quando Chega a Escuridão, filme de vampiros de 87; e Estranhos Prazeres, ficção científica misturada com suspense de 95.

Caçadores de Emoção (Point Break, no original) se baseia muito no carisma de seus dois protagonistas, Keanu Reeves e Patrick Swayze, ambos com a carreira em alta.Lori Petty faz o principal papel feminino, e talvez este seja o ponto mais alto na sua carreira; Gary Busey faz as caretas de sempre. Ah, para os fãs de Red Hot Chilli Peppers: um dos surfistas do grupo rival é Anthony Kiedis.

Claro que é um filme onde o saudosismo conta pontos. Revisto hoje por quem viu na época é uma coisa, mas não sei se funcionaria pra quem for ver hoje pela primeira vez.

Mas com certeza é melhor que a refilmagem…

  • Facebook
  • Twitter

Quando Chega A Escuridão

Quando Chega a EscuridãoCrítica – Quando Chega A Escuridão

Há tempos queria rever este filme, que só tinha visto na época do lançamento, ainda nos anos 80. Aproveitei o podcast de vampiros para rever.

Ao dar em cima de uma garota, sem saber que ela não era humana, um jovem caipira acaba se unindo a um cruel grupo de vampiros.

Quando Chega a Escuridão (Near Dark, no original) frequenta listas de melhores filmes de vampiros feitas por críticos. Lembro que gostei muito quando vi na época. Mas acho que o filme envelheceu mal, achei meio lento demais quando revi. Hoje em dia, prefiro rever Garotos Perdidos, lançado no mesmo ano de 1987.

Quando Chega a Escuridão apresentou um novo conceito de vampiros. Aliás, a palavra “vampiro” não é mencionada nenhuma vez durante o filme. Sua aparência também é diferente, são feios e sujos. Mas não há dúvidas sobre o que eles são, afinal, matam pessoas para beber o seu sangue, e queimam com a luz do sol. São vampiros, mas sem o glamour do vampiro clássico do cinema.

A direção é de Kathryn Bigelow, hoje muito conhecida por ter ganhado o Oscar de melhor diretora por Guerra Ao Terror e por ser a ex de James Cameron. Mas nessa época, Kathryn era apenas uma diretora de filmes “legais”, como Caçadores de Emoções (1991), Estranhos Prazeres (1995) e este Quando Chega a Escuridão.

O papel principal é de Adrian Pasdar, que ficou mais famoso quase vinte anos depois, com o Nathan Petrelli da série Heroes. Também no elenco, Jenny Wright, Lance Henriksen e Bill Paxton.

Por fim, queria levantar um questionamento sobre o download de filmes. Sim, a gente sabe que é errado. Mas… Quando Chega A Escuridão nunca foi lançado em dvd por aqui. Ok, sem problemas, no mundo globalizado de hoje, posso comprar um dvd importado. Fiz isso, comprei um dvd original gringo. Mas não tem legendas, nem em inglês. Tentei ver mesmo assim, mas não consegui acompanhar os diálogos. Sei que na análise fria da lei, baixar filme é errado. Mas, se o cara já tem o filme original, se o cara pagou por uma cópia oficial, ele não deveria ter o direito de ver o filme – nem que precise baixar uma cópia para isso?

  • Facebook
  • Twitter

A Hora Mais Escura

Crítica – A Hora Mais Escura

Durante anos, uma obsessiva agente da CIA usa todos os meios para conseguir seu objetivo: achar e capturar Osama Bin Laden.

Já era previsto que Hollywood iria fazer filmes ligados a Osama Bin Laden. Mas, pelo que li, A Hora Mais Escura (Zero Dark Thirty, no original), foi pensado inicialmente como um filme sobre o fracasso dos EUA na tentativa de achar Bin Laden. Só que, com a notícia que ele tinha sido capturado e morto pelo exército americano, o roteiro escrito por Mark Boal foi mudado. Se isso é verdade, não sei. Mas a história contada no filme funciona muito bem.

A Hora Mais Escura é um Guerra Ao Terror melhorado. Ironicamente, Kathryn Bigelow ganhou o Oscar de melhor diretora (além de melhor filme) por Guerra Ao Terror, mas desta vez nem foi indicada.

(Respeito a atual fase de Bigelow, mas confesso que prefiro o trabalho dela nos anos 80 e 90, com filmes como Caçadores de Emoção, Estranhos Prazeres e Quando Chega a Escuridão. Gosto mais dela fazendo filmes pop…)

A Hora Mais Escura chega envolto em polêmicas. Parece que os conservadores tiveram problemas com as cenas de tortura. Ora, a tortura não aconteceu? Qual o problema de mostrar algo real? Só porque não é politicamente correto? Enfim, as cenas de tortura nem são nada demais…

O filme é longo demais – não precisava de duas horas e trinta e sete minutos para contar a história. Alguns trechos são arrastados; outros são previsíveis – por exemplo, a cena do atentado que envolve a personagem de Jennifer Ehle. Pelo menos a parte final do filme é muito boa. Os 40 minutos finais, que mostram a operação da captura de Bin Laden, tem um ritmo excelente – apesar de ter uma fotografia muito escura (às vezes a gente não vê nada…).

Sobre o elenco, o grande nome é Jessica Chastain, uma das mais fortes candidatas para levar o Oscar de melhor atriz daqui a duas semanas (acho que fica entre ela e Jennifer Lawrence). Jessica está excelente. Ainda no elenco, Kyle Chandler, Jennifer Ehle, Jeremy Strong, Harold Perrineau, Mark Strong, Edgar Ramirez e uma ponta de James Gandolfini.

Apesar da duração excessiva, A Hora Mais Escura é um dos melhores filmes dentre os candidatos ao Oscar 2013.

  • Facebook
  • Twitter

Guerra Ao Terror

Guerra Ao Terror

No Iraque, durante a guerra, uma equipe especializada em desarmar bombas vive o dia-a-dia no limite da tensão, pois a cada esquina pode haver uma bomba, e cada habitante local é um potencial inimigo. E o sargento William James (Jeremy Renner) se sente à vontade e parece que gosta disso.

Dirigido por Kathryn Bigelow (Caçadores de Emoções, Quando Chega a Escuridão), Guerra Ao Terror é bastante eficiente ao mostrar toda esta tensão da guerra. A câmera parece documental, é nervosa, na mão o tempo todo.

O que é interessante aqui é que o filme foca nos soldados, e não na guerra. O filme não tem muita história, temos uma contagem regressiva dizendo quantos dias faltam para estes soldados voltarem para casa, e acompanhamos as suas missões. Mas o filme não é chato, cada missão é teeensa, temos várias cenas daquelas de se virar na poltrona e roer as unhas.

O elenco é curioso. O personagem principal é Jeremy Renner, um nome não muito conhecido. Talvez por isso, outros três nomes estejam no cartaz: David Morse, Ralph Fiennes e Guy Pearce. Mas, não se deixe enganar, os três têm papéis pequenos!

Aliás, falando em fatos curiosos, este é um raro exemplo de filme que foi lançado nos cinemas depois de já estar disponível em dvd nas locadoras. A distribuidora brasileira achou melhor lançar direto em dvd. Mas com o hype que aconteceu com as indicações ao Oscar 2010, voltaram atrás e o filme foi parar nas telas.

Guerra Ao Terror foi o grande ganhador do Oscar de 2010, levando seis prêmios, entre eles, melhor filme, melhor diretora e melhor roteiro. Olha, o filme é bom, mas, na minha humilde opinião, não é isso tudo. Acho que Avatar merecia mais…

  • Facebook
  • Twitter