Detroit em Rebelião

detroitCrítica – Detroit em Rebelião

Sinopse (catálogo do Festival do Rio): No verão de 1967, os EUA enfrentavam uma profunda inquietação social, com a Guerra do Vietnã e um número cada vez maior de casos de repressão racial. Durante os protestos em Detroit, a polícia local é chamada para investigar uma denúncia de tiros no Motel Algiers. Ignorando a lei, os policiais interrogam e torturam um grupo de afro-americanos, em um jogo mortal de intimidação. Ao fim da noite, três homens desarmados foram mortos e outros ficaram gravemente feridos. Baseado em uma chocante história real.

Acho que já comentei aqui. Preferia a diretora Kathryn Bigelow dos anos 80/90, quando ela fazia filmes divertidos (Caçadores de Emoções, Quando Chega a Escuridão, Estranhos Prazeres). Mas depois que ela mudou de estilo e passou a fazer filmes “sérios” (Guerra ao terror, A hora mais escura) ela passou a ser mais respeitada e ganhar prêmios (incluindo o Oscar).​ Então ninguém pode reclamar.

Bem, pelo menos ela continua muito boa no que se propõe. Detroit em Rebelião (Detroit, no original) é muito bem conduzido, por uma câmera nervosa, que coloca o espectador lá dentro da ação. A duração do filme é um pouco longa (2 horas e 23 minutos), mas, assim como aconteceu nos filmes anteriores, o filme nunca fica monótono. Bigelow sabe como filmar este tipo de filme!

O elenco é bom. O pouco conhecido Algee Smith manda bem não só interpretando como também cantando. Will Poulter tem cara de mau, e aproveita isso no seu policial mau caráter. Jack Reynor está completamente diferente do papel que fez em Sing Street. John Boyega, do novo Star Wars, está apenas burocrático. Ainda no elenco, Anthony Mackie, Hannah Murray e Kaitlyn Dever.

Detroit em Rebelião vai entrar no circuito. Boa opção para quem gosta do estilo!

p.s.: Com este Detroit, encerro minha participação no Festival do Rio 2017, voltarei aos filmes em cartaz no circuito. É, foram poucos, só 11 filmes este ano. Mas ano que vem tem mais…

  • Facebook
  • Twitter

O diabo e o Padre Amorth

O diabo e o Padre AmorthCrítica – O diabo e o Padre Amorth

Sinopse (catálogo do Festival do Rio): Mais de 40 anos depois do lançamento de O exorcista, o diretor William Friedkin se pergunta o quão perto chegou da realidade ao realizar seu filme mais icônico. Depois de conhecer o Padre Gabriele Amorth, um senhor de 91 que é conhecido como o “Mestre dos Exorcistas”, Friedkin consegue permissão para acompanhar e filmar o mais recente exorcismo executado pelo sacerdote. A vítima de possessão é uma mulher italiana que vem sofrendo incômodas mudanças físicas e de comportamento que seu psiquiatra não consegue solucionar.

Sabe quando uma ideia parece legal no papel, mas não funciona na tela? É o caso.

O diabo e o Padre Amorth (The Devil and Father Amorth, no original) se propõe a mostrar um exorcismo real, filmado pelo diretor do maior filme de exorcismo da história. Taí, parece ser uma boa.

Só parece. O diabo e o Padre Amorth passa um bom tempo da sua curta duração (só 68 minutos) preparando o espectador para o tal exorcismo. Quando acontece, é uma cena looonga onde quase nada acontece. Depois temos um depoimento sobre a mulher exorcizada, mas sem imagens, o que nos leva a desconfiar de sua veracidade. Por fim, algumas entrevistas com médicos e padres, que pouco acrescentam.

Decepcionante. Se o exorcismo real é aquilo que aparece no filme, prefiro ficar só com o exorcismo cinematográfico…

  • Facebook
  • Twitter

Logan Lucky – Roubo em Família

logan luckyCrítica – Logan Lucky – Roubo em Família

Sinopse (catálogo do Festival do Rio): Os irmãos Jimmy e Clyde Logan acreditam que sua família sofre de uma terrível maldição, que justifica um azar financeiro que vem se estendendo por gerações. A fim de tentar reverter essa condição, eles decidem executar um ambicioso assalto durante uma corrida de automóveis da NASCAR, o maior campeonato de stock car dos Estados Unidos. No entanto, nem tudo sairá como o previsto.

O diretor Steven Soderbergh tem um jeitão de fazer “filmes pipoca” leves, onde grandes atores parecem que estão se divertindo. Isso acontece com este Logan Lucky – Roubo em Família (Logan Lucky, no original). Um bom elenco num filme divertido e despretensioso.

Um dos problemas aqui é a inevitável comparação com 11 Homens e um Segredo e suas continuações. Ok, Channing Tatum e Adam Driver são nomes badalados, mas acredito que Brad Pitt e George Clooney eram nomes mais fortes na época do outro filme. Mas, na minha humilde opinião, o pior problema é que o roubo deste Logan Lucky tem muitos furos. Um bom filme de roubo precisa trazer um plano mirabolante e que convença o espectador. O plano aqui parou no “mirabolante”.

Mas, como disse lá em cima, o elenco não deixa a peteca cair, e a fórmula soderberghiana segue fluindo. Afinal, não é todo dia que temos Channing Tatum, Adam Driver, Daniel Craig, Riley Keough, Katie Holmes, Seth MacFarlane, Katherine Waterston e Hilary Swank à disposição…

O resultado final não é lá grandes coisas, mas pelo menos vai divertir os menos exigentes.

  • Facebook
  • Twitter

Legalize Já

Legalize-JáCrítica – Legalize Já

Sinopse (catálogo do Festival do Rio): Como o encontro entre dois jovens que vendiam camisetas e fitas cassete no centro do Rio de Janeiro para se sustentar pôde dar origem a uma das bandas mais populares do Brasil na década de 1990? O filme narra esse momento transformador na vida de Marcelo – futuramente, conhecido como Marcelo D2 – e Skunk, que culminou na formação do Planet Hemp. Reprimidos por uma sociedade preconceituosa, os dois fizeram da música um grito de alerta e de resistência, conquistando corações e mentes de toda uma geração.​

Uma cinebiografia de uma banda nacional dos anos 90 – gostei da ideia!

Confesso que tinha um pé atrás com a proposta do filme (principalmente pelo nome “Legalize já”). Gosto do som do Planet Hemp, sou amigo de alguns dos integrantes da banda. Mas não sou fã de maconha – nada contra, mas é algo que nunca “fez a minha cabeça”. A boa notícia (pelo menos pra mim) é que Legalize Já foca muito mais na relação entre D2 e Skunk do que na maconha.

Nem todos sabem, mas um dos fundadores do Planet Hemp faleceu antes da banda gravar seu primeiro disco e fazer sucesso. O filme foca neste momento, o início da amizade e a formação da banda, que, segundo a proposta de Skunk, falaria mais de problemas sociais do que de maconha – mas isso é ironizado pelo próprio filme, num diálogo onde alguém comenta “mas as músicas só falam de maconha”. É, a crítica social está lá, mas o que vendeu a banda foi a maconha…

Legalize Já foi dirigido pela dupla Johnny Araújo e Gustavo Donafé, que já tinham feito juntos O Magnata, com roteiro do Chorão (Charlie Brown Jr); e que estão em cartaz com Chocante. A fotografia quase preto e branca, assinada por Pedro Cardillo, traz um visual interessante à história.

No elenco, destaque para Ícaro Silva, que antes já interpretou os cantores Jair Rodrigues e Wilson Simonal no teatro, e que aqui faz um, bom trabalho como o Skunk. Marcelo D2 foi interpretado por Renato Góes, enquanto Stepan Nercessian faz um papel menor como seu pai. Uma boa notícia: na minha humilde opinião, uma das falhas do cinema nacional é o descuido com relação ao sotaque dos atores. Ícaro é paulista; Renato, pernambucano. E ambos passam por cariocas. Finalmente alguém se preocupa com sotaques!

Que venham mais cinebiografias musicais brasileiras!

  • Facebook
  • Twitter

How to Talk to Girls at Parties

How to Talk to Girls at PartiesCrítica – How to Talk to Girls at Parties

Sinopse (catálogo do Festival do Rio): No Reino Unido do fim dos anos 1970, Enn, um jovem tímido e fã da nova febre punk, está pronto para se apaixonar. Até que ele conhece a etérea Zan, que acredita que o punk vem “de uma outra colônia”, uma de muitas pistas de que ela talvez não seja desse planeta. Uma história sobre o nascimento do punk, a exuberância do primeiro amor e o maior de todos os mistérios do universo: como conversar com garotas em festas?

Quando vi Antiporno, pensei que era o filme mais maluco do festival. Que nada. Ainda faltava este How to Talk to Girls at Parties.

É difícil falar de How to Talk to Girls at Parties. É um filme completamente “fora da caixinha”. “Festa estranha com gente esquisita”, um desfile de personagens bizarros em situações bizarras. Mesmo assim, arrancou gargalhadas da plateia várias vezes. Apesar de ser um filme diferente de tudo, é o mais leve e divertido que já vi do diretor John Cameron Mitchell (Hedwig, Shortbus, Reencontrando a Felicidade).

Trata-se de uma adaptação de um conto de Neil Gaiman (que tem uma versão em graphic novel, desenhada pelos brasileiros Fábio Moon e Gabriel Bá). Não li o livro, nem os quadrinhos. Mas é curioso ver que o título não faz sentido na história do filme.

Os figurinos dos alienígenas merecem uma citação. O filme explora o clichê de alienígena dos anos 70, roupas colantes em cores berrantes. O visual ficou bem legal. E tudo combina com a grande coleção de personagens excêntricos. Quem embarcar na viagem proposta por Mitchell vai se divertir.

O papel principal ficou nas mãos do desconhecido Alex Sharp, mas ele faz par com Elle Fanning (o que deve ajudar a vender o filme). Nicole Kidman faz um papel menor como uma punk veterana.

Acho difícil este filme chegar no circuito…

  • Facebook
  • Twitter

O Artista do Desastre

Artista do DesastreCrítica – O Artista do Desastre

Sinopse (catálogo do Festival do Rio): A verdadeira história por trás da produção de The Room, um clássico cult chamado de “o Cidadão Kane dos filmes ruins”. Desde seu lançamento em 2003, o filme vem cativando o público no circuito midnight com sua história desconjuntada, atuações dissonantes e diálogos inexplicáveis. Cada faceta do filme impressiona, assim como a misteriosa e magnética performance de seu criador e protagonista, Tommy Wiseau. Este filme reconta a produção a partir das lembranças de Greg Sestero, amigo de Wiseau e co-estrela relutante do longa.

Já escrevi aqui sobre The Room, um filme ruim, muito ruim, tão ruim que chega a ser uma experiência dolorosa. Mal sabia heu que um outro filme me traria vontade de rever aquele filme ruim muito ruim.

O Artista do Desastre (The Disaster Artist, no original) conta os bastidores das filmagens de The Room, e expõe as excentricidades de seu autor, o bizarro Tommy Wiseau. Wiseau é um cara tão estranho, e a história deste filme é tão inacreditável, que parece que tudo foi inventado. Nada disso, o cara existe e a história aconteceu!

Pra quem nunca ouviu falar de The Room: um cara sem talento nenhum resolveu bancar a produção de um filme que ele mesmo escreveu, dirigiu e protagonizou. Claro que o filme é uma grande porcaria – mal escrito, mal dirigido e mal interpretado. Mas ganhou status de cult como um dos piores filmes da história.

E agora ganha um filme-tributo. E este filme-tributo é muito bom!

O Artista do Desastre é a adaptação do livro “The Disaster Artist: My Life Inside The Room, the Greatest Bad Movie Ever Made”, escrito por Greg Sestero, que era o melhor amigo de Wiseau na época do filme. Vemos como começou a amizade entre os dois, e vemos vários episódios bizarros da excêntrica vida de Wiseau.

James Franco foi o “Wiseau” aqui: dirigiu e protagonizou. A diferença é que Franco tem talento. E sua caracterização como Wiseau está excelente! Segundo o imdb, ele não saía do personagem nos intervalos, e continuava falando com o estranho sotaque do Wiseau.

Aliás, o elenco é muito bom. Dave Franco pela primeira vez divide a tela de um longa com seu irmão, interpretando Greg Sestero. Também no (grande) elenco, Zoey Deutch, Alison Brie, Josh Hutcherson, Zac Efron, Megan Mullally, Sharon Stone, Melanie Griffith, Christopher Mintz-Plasse e e Bryan Cranston, e participações de Kristen Bell, Lizzy Caplan, Adam Scott, Zach Braff e J.J. Abrams. Acho que o ponto negativo do elenco é Seth Rogen, interpretando o Seth Rogen de sempre, e que parece que quer aparecer mais do que o filme pede, achei que seu personagem forçou um pouco a barra.

Uma coisa que ficou bem legal foi que recriaram algumas das cenas do filme original, e no fim do filme vemos a tela dividida, com a versão original de um lado, e a refilmagem do outro. Impressionante como aquilo era ruim; impressionante como ficou igual!

O único problema de O Artista do Desastre é que a gente sai do cinema com vontade de ver (ou rever) The Room. E isso é um desserviço à história do cinema. Caí nesta falha, e revi. Só pra constatar que não vale a pena… Fique com as cenas dos créditos, vale mais a pena.

Segundo o filmeB, O Artista do Desastre estreia nos cinemas brasileiros só em janeiro de 2018. É, vamos ter que esperar…

  • Facebook
  • Twitter

Prevenge

prevengeCrítica – Prevenge

Sinopse (catálogo do Festival do Rio): Ruth está grávida de sete meses e, como muitas outras gestantes, acredita que seu bebê já conversa com ela por meio de uma voz interior. A única diferença é que o pequeno ser humano, a fim de responsabilizar a sociedade pela ausência de seu pai, exige que ela realize uma verdadeira carnificina. Em uma jornada pós-feminista, é o bebê quem ensina Ruth como atrair e matar pessoas que cruzam seu caminho, como o dono de uma pet shop e um DJ. Um conto sangrento sobre a mais santificada experiência humana: a maternidade.

Nem tudo o que a gente vê no Festival do Rio é bom. Faz parte da regra do jogo, a gente vê muito filme antes de estrear no circuito, o risco é grande. Às vezes tem filme bom, às vezes tem filme meia boca. Como é o caso deste Prevenge.

Prevenge foi escrito, dirigido e estrelado por Alice Lowe (que estava realmente grávida durante as filmagens). Este é o seu primeiro filme como diretora, mas lembro de Turistas, um filme escrito e estrelado por ela, que passou no Festival do Rio de 2012. Pelo filme anterior, já dava pra ter uma ideia do que ia encontrar: um filme violento, onde o terror está no comportamento de pessoas desequilibradas.

Prevenge tem algumas ideias boas, algum gore bem filmado, mas no geral fica devendo. O filme não tem ritmo, a protagonista é antipática e sem carisma, e a voz do bebê beira o trash de tão tosca.

Dispensável.

  • Facebook
  • Twitter

A Vilã / The Villainess

The VillainessCrítica – A Vilã / The Villainess

Sinopse (catálogo do Festival do Rio): Desde pequena, Sook-hee foi treinada para se tornar uma assassina sanguinária. Quando o chefe da Agência de Inteligência coreana se oferece para recrutá-la como agente secreta, Sook-hee recebe uma segunda chance: “Trabalhe para nós por dez anos e você será livre”. Sua nova identidade é como Chae Yeon-soo, uma atriz de teatro. Depois de servir seu país por uma década, ela dá início a uma nova vida, onde tem que lidar com tarefas corriqueiras do dia a dia. Até que dois homens aparecem de repente em sua vida, e ela descobrirá os segredos de seu passado.

Dois dias atrás falei de Fuga, um filme de ação meia bomba feito no Camboja. Agora é a vez de outro filme de ação, mas da Coreia do Sul, país que tem uma tradição cinematográfica bem maior. E A Vilã (The Villainess, em inglês; Ak-Nyeo, em coreano) é muito melhor. Um excelente filme de ação.

O início do filme tem uma sequência que lembra Hardcore Henry – “tiro porrada e bomba” com câmera POV, em primeira pessoa. Muita violência, e violência muito bem filmada. A partir daí temos um bom equilíbrio entre as cenas mais “calmas” e as sequências de luta – tem um duelo de espadas no meio de uma perseguição de motos! E o final lembra Atômica, com sequências emendadas digitalmente pra fazer um grande plano sequência que inclui cenas de briga e também perseguições de carro. É, a gente não vê isso todos os dias…

Esqueci de falar: A Vilã é um filme de vingança. Não sei exatamente o quanto a vingança é importante na cultura coreana, mas é só a gente lembrar de Oldboy que a gente já sente que vingança pra eles é uma parada séria.

A Vilã foi escrito e dirigido por Byung-gil Jung. O roteiro é bem estruturado, tem uma linha temporal não linear, e traz um plot twist bem legal. Vi no imdb que este é o segundo longa de ficção dirigido por Jung (ele antes fez um documentário). Confissão de Assassinato é o outro filme dele. Vou procurar…

No Festival do Rio, a maior parte dos filmes passa com legendas eletrônicas. A cópia de A Vilã estava legendada, o que normalmente significa que o filme entrará em cartaz no circuito. Fui checar no filmeB, a previsão é que estreie dia 23 de novembro, mês que vem! Fica a dica!

  • Facebook
  • Twitter

Antiporno

antipornoCrítica – Antiporno

Sinopse (Catálogo do Festival do Rio): Kyoko tem 21 anos e é uma artista promissora, repleta de autoconfiança. Quando algo não sai como o esperado, ela desconta sua frustração em Noriko, sua assistente de 36 anos. Imatura, Kyoko se comporta como uma rainha absoluta e faz Noriko passar por humilhações sexuais diante do resto da equipe.

O Festival do Rio tem umas mostras paralelas. Este ano teve uma mostra “pornochanchada à japonesa”. Queria ver pelo menos um deles. Quando vi que tinha um filme do Sion Sono, não tive dúvidas sobre qual seria o escolhido.

Explico: já tinha visto outros três filmes do Sion Sono em outras edições do Festival do Rio – Paz e Amor em 2015; Tokyo Tribe em 2014; e Por Que Você Não Vai Brincar no Inferno? em 2013. Os três são esquisitos. Já tinha ideia do que ia encontrar.

E, claro, Antiporno (Anchiporuno, no original) é um filme esquisito. Cenários bizarros, personagens bizarros, situações bizarras… Quem gosta de filmes bizarros vai curtir.

Não quero falar muito sobre a trama pra não dar spoilers, até cortei parte do que estava na sinopse do catálogo (apesar de desconfiar que NENHUM dos meus leitores vai ver este filme). Só digo que Antiporno faz umas brincadeiras bem legais com metalinguagem. Quando a trama começa a cansar, rola um plot twist bizarro e tudo muda de rumo.

Esses plot twists mudam completamente a personalidade das personagens principais, o que faz o trabalho das duas atrizes principais ficar muito mais complexo e interessante. Gostei muito das performances de Ami Tomite e Mariko Tsutsui. Aliás, segundo a wikipedia, Mariko Tsutsui tem 57 anos. Acho que nunca vi uma cinquentona tão bem conservada. Parabéns, sra. Mariko!

Não foi o melhor Sion Sono que já vi (Tokyo Tribe é imbatível!), mas me diverti. Que venha outro filme dele em um festival futuro.

  • Facebook
  • Twitter

Fuga / Jailbreak

FugaCrítica – Fuga / Jailbreak

Sinopse (Catálogo do Festival do Rio): A gangue Butterfly, composta inteiramente por mulheres, está envolvida em todo tipo de crime imaginável. Quando a polícia captura Playboy, seu único membro homem, eles sabem que tem nas mãos a chance de acabar com a gangue. Assim, Playboy é enviado para a prisão mais segura do país, onde fica sob vigilância total. Mas nenhuma cadeia é impenetrável para a gangue Butterfly, e não demora muito para que as coisas comecem a dar errado. Logo os prisioneiros iniciam uma revolta, isolando um pequeno grupo de policiais, que precisará lutar para sobreviver.

Tem gente que usa o Festival do Rio pra ver filmes antes da estreia. Tem gente que cata filmes que passaram em festivais mundo afora e que ainda não têm previsão de lançamento no Brasil. Heu procuro filmes que NUNCA vão passar no cinema aqui. Por isso escolhi um filme de ação feito no Camboja.

A sinopse do catálogo do festival não é boa, faz a gente pensar que vai ter um foco maior na tal gangue das mulheres, mas isso é algo bem secundário. O foco do filme é nos policiais que vão levar o prisioneiro e na revolta que acontece na cadeia enquanto eles estão lá.

Escrito e dirigido por Jimmy Henderson, Fuga (Jailbreak, em inglês) é fraco. Só vale pelas cenas de luta. Me parece que quiseram pegar carona no sucesso da série The Raid, da vizinha Indonésia (lembrando que o primeiro Raid passou no Festival do Rio de 2011). Mas este “primo pobre” é bem inferior.

Jailbreak parece um filme B de ação dos anos 80, um daqueles estrelados por um Van Damme ou um Chuck Norris. Os atores são todos ruins, e os personagens são todos caricatos. O roteiro tem momentos tão bobos que parecem filmes dos Trapalhões. Isso sem contar com furos inacreditáveis, como a vilã que entra acompanhada de três bad girls de calças de couro e saltos altos, mas que desaparecem sem explicação. Ou a inexplicável falta de continuidade – roupas se limpam sozinhas ao longo do filme. Vergonha alheia…

O que salva são as lutas. Aí sim, temos um belo espetáculo visual. São várias lutas bem coreografadas e bem filmadas. As lutas são filmadas em planos sequência curtos, emendados por planos chicote (quando a câmera corre de um lado para o outro), criando a impressão de longos planos sequência. Essas cenas valem o ingresso!

No elenco, uma curiosidade: Celine Tran, a líder da gangue Butterfly (e o primeiro nome na lista do imdb) é a atriz pornô Katsuni… Mais ninguém conhecido no elenco.

Divertido. Mas apenas isso.

  • Facebook
  • Twitter